Cultura

Como funciona a mente de um corrupto

Coordenadora da Comissão de Ética da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, a psicanalista Cibele Maria Moraes di Battista Brandão concedeu uma entrevista de fôlego ao jornal mineiro “Diário de Caratinga”, que propôs a Cibele o desafio de traçar o perfil de quem pratica atos de corrupção, tema que continua como pauta prioritária na imprensa brasileira.

Leia a seguir a íntegra da entrevista.

Do ponto de vista da psicanálise, como pode ser interpretada a corrupção?

A corrupção pode ser vista a princípio como um tipo de loucura, de comportamento desviante, antissocial e perigoso. Nesse sentido, o sujeito privilegia só a si, até mesmo em situações em que ele foi escolhido ou eleito para trabalhar pelo bem comum. A corrupção se define pela perversão – ao invés de procurar o bem comum, ele busca tão somente seu enriquecimento e interesses individuais. A corrupção de objetivos não é só um fenômeno social e nem só um fenômeno individual. Podemos pensar no dito popular que diz “a ocasião faz o ladrão”. Precisamos da ocasião e precisamos do ladrão em potencial. Ladrão de que? Ladrão de uma falsa segurança.

O corrupto age motivado por um fator emocional ou ele é extremamente calculista/racional?

As duas coisas. Ele age motivado por um fator emocional que o faz ser calculista. Ele quer alcançar poder, dinheiro, prestígio. Como o “drogadito” que necessita da droga, ele não pensa. Age só em busca de seu objetivo. Ele quer o objeto que imagina lhe trará a solução de todas as suas aspirações narcísicas. Ele apenas quer alcançar seu objeto de desejo por idealizá-lo. A droga trará a solução mágica de tudo, assim como para o corrupto o poder,o dinheiro, o prestígio, o salvarão de todos as dores e inseguranças que o viver traz para qualquer ser humano. Ele não prioriza e nem valoriza o aprender pensar, construir recursos, viver uma vida ética. Esses valores tornam-se para ele pueris e ingênuos. A palavra ética deriva do grego “éthiké”, derivada por sua vez de ethos que significa caráter, hábito, modo de vida. A eticidade constitui-se da formação do caráter de cada indivíduo.

O corrupto tem a consciência de que está cometendo um ato que é amplamente reprovado pela sociedade?

A Psicanálise em sua prática procura compreensão de cada indivíduo como sendo único e exclusivo. Há pessoas que podem ter consciência e outras que absolutamente vivem como sendo natural participar de um esquema vigente. Na base do sempre foi assim e assim será… Se o corrupto vem de um meio que tenha regras sociais que advogam pela ideia da vantagem a consciência fica alterada. Ele passa a viver como sendo natural receber vantagens, sempre. É diferente o processo de conscientização de uma criança cujos pais desde cedo ensinam que o que pertence ao outro, ao coleguinha, é do outro… Os traços anti-sociais de um indivíduo, tais como não entender que seus atos são antiéticos e reprováveis, são resultantes de um déficit na estruturação do superego, instância da mente que tem um papel assimilável ao de um juiz ou censor interno, que tem consciência moral na auto observação, na formação de ideias e princípios. Essa instância constitui-se pela interiorização das exigências e interdições parentais. Esse déficit faz com que a consciência moral e ética não se instalem adequadamente. Não há o medo da autoridade externa, que é entendida como inexistente ou permeável conforme o seu desejo.

As pequenas “trapaças” diárias que usamos como comprar produto pirata ou apresentar um atestado falso podem ser consideradas como atos de corrupção?

A corrupção deve ser considerada não apenas nas investigações que vemos desfilar toda noite na nossa sala de TV, justamente no momento de descanso após exaustivo o dia de trabalho, quando nos sentamos para relaxar. A corrupção não está só nos macro acontecimentos, mas também nos pequenos delitos do cidadão comum, que se desvia da verdade para obter às vezes inúteis vantagens. Precisamos pensar que nessas pequenas situações, se bem conduzidas, trazem sementes de prevenção. É prevenção quando ensinamos um filho a não pagar “propinas” para favorecer trâmites burocráticos. Tendemos a pensar que é corrupto apenas quem recebe a propina e nos esquecemos de quem dá a propina. Destruímos nesse momento a possibilidade de se ter o contato com a verdade, que pode ser difícil, mas traz o germe do fortalecimento quando é enfrentada.

Se compararmos o corrupto que atua individualmente àquele que atua em conjunto (por exemplo, em uma quadrilha) podemos considerar que o comportamento de ambos seja o mesmo?

Em 1930, em seu importante trabalho o Mal-estar na Civilização, Sigmund Freud descrevia três motivos para o homem ter dificuldade no convívio social e também para a impossibilidade de ser feliz:

1 – Pela fraqueza humana frente às forças da natureza impossíveis de serem dominadas.

2 – Pela fragilidade de nossa constituição física que nos leva a adoecer, envelhecer e morrer.

3 – E por fim, pelo sofrimento advindo da convivência com os outros seres humanos.

Nessa constelação proposta, o ser humano está fadado a conviver com o medo, a insatisfação e a insegurança. O corrupto, seja ação individual ou em conjunto, tenta fugir dessa condição. Mas foge buscando meios mágicos como o enriquecimento ilícito que na verdade o enfraquece e expõe. Em uma vida assim, não há espaço para falarmos em crescimento, transformação ou criação de recursos mentais para lidar com a vida, que não é fácil. A busca pela felicidade tem que passar por algo que não seja só o que venha do externo. Há alguns meses atrás circula no youtube uma belíssima entrevista do ator argentino Ricardo Darin a um repórter da TV espanhola. Esse repórter surpreendeu-se com a recusa de Darin a um trabalho que veio de Hollywood. Darin não quis aceitar só porque poderia ganhar uma soma considerável de dinheiro. Ele queria mais do que tudo voltar para casa e estar com a família, com sua rotina… A entrevista vale a pena ser vista.

Muitas pessoas dizem que não existe político que não seja corrupto, pois ao serem eleitos, acabam “caindo” no sistema. Do ponto de vista da psicanálise, como a senhora analisa essa afirmação?

Como dissemos, a Psicanálise em sua prática tenta aproximar-se para conhecer aquilo que é único e exclusivo para cada pessoa. A Psicanálise não generaliza ou rotula. Não descreve afirmando que o corrupto é assim…. Entende que cada pessoa tem uma estruturação própria. Dizer que não existe político correto seria uma generalização preconceituosa. Em qualquer atividade ou profissão há todo tipo de pessoa. Não estamos aqui dividindo em duas categorias: os mocinhos e os bandidos. Dentro de todo ser humano há uma gama de bondade e maldade, desenvolvimento e decadência, etc., mas muito importante é a direção que se quer dar para a própria evolução. Todas as pessoas estão sob a égide de uma dualidade instintual. Por um lado, estão imbuídas de amor e construtividade e, por outro, mesmo involuntariamente, são constituídas por ódio e destrutividade. O que determinará uma boa evolução será uma interação entre o ambiente propiciador de crescimento e, internamente, seu desejo de se aproveitar do potencial de evolução. Acrescento que um excesso de ambição e desejo de enriquecer muito pode levar o ser humano a um lugar obscuro.

O corrupto acredita que possa ser responsabilizado por seus atos ou ele age pensado na impunidade?

No começo dessa entrevista dissemos que a corrupção é uma espécie de loucura e, como tal, afasta o indivíduo da realidade. Se uma pessoa é “ousada” acima do bem e do mal, podemos dizer que sua consciência é deteriorada. Mas o que dizer de uma realidade vivida até recentemente em que havia a impunidade? E que essa realidade não era um delírio e sim uma constatação que nos fazia afirmar sempre que a cadeia seria somente para pessoas socialmente desfavorecidas.

A corrupção pode ser considerada uma doença?

Sem dúvida nenhuma. E justifico. Tudo aquilo que se afasta da realidade e aproxima do mágico e do idealizado prejudica imensamente a pessoa, que crê, assim, que desse modo estaria encontrando a realização e a felicidade. Penso também ser necessário para responder essa questão que tentássemos definir o que é uma doença do ponto de vista da mente. A psicopatologia é um termo utilizado para designar os distúrbios do psiquismo humano. Uma das causas desses distúrbios originam-se de um sofrimento intenso frente ao qual a pessoa não consegue construir recursos para lidar com a demanda da vida. Porém, não é só isso. O assunto é muito amplo. Há outras causas para os distúrbios da mente, inclusive causas de desequilíbrio bioquímico que necessitam serem medicadas. De qualquer forma, um desequilíbrio leva a uma interrupção do desenvolvimento e evolução da pessoa e essa quebra caracteriza uma doença pois prejudica o indivíduo na sua aquisição de recursos para enfrentar a vida que, a cada etapa, torna-se mais complexa. O propósito fundamental de uma relação terapêutica seria o de ajudar a pessoa que busca esse tratamento a fazer mudanças que lhe possibilitem viver sua vida de modo mais plenamente humano, e que a pessoa possa retomar seu desenvolvimento.

Cibele M. M. Di Battista Brandão é membro efetivo e analista didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP), membro do Núcleo de Psicanálise de Marília e Região NPMR) e docente dessas instituições. Atualmente, coordena a Comissão de Ética da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

Desaparecidos: uma história de dor

Por Leopold Nosek*

Nossos olhos recebem a luz de estrelas mortas. Atravessando distâncias abissais, o brilho de corpos celestes que já desapareceram continua a chegar até nós. Assim é a figura de Homero, cujas palavras, inscritas na memória da humanidade, guardam o substrato do que no século IV a. C. culminaria na cultura grega clássica, na qual se desenvolveriam a poesia, o teatro, a filosofia, a ética, enfim, os valores e as práticas que ainda hoje alicerçam as narrativas com as quais desenhamos os trajetos de nossa vida.

Devo dizer que hoje, assombrado pela extensa lista de desaparecidos que as ditaduras latino-americanas impingiram a pais, mães, filhos, irmãos e companheiros, descubro na Ilíada uma beleza peculiar que se apresenta como enigma: por que, como relata Homero, gregos e troianos lutam furiosamente para reaver o corpo de seus mortos? Por que todos os guerreiros se dispõem a morrer pela matéria apodrecida de uma anatomia?

Heitor, príncipe de Troia, mata em combate Pátroclo, companheiro do herói primordial grego, Aquiles. Este, tomado de ira, vinga-se matando Heitor, mas não sem antes disputar com ferocidade a posse do cadáver de Pátroclo – suprema desonra seria abandoná-lo à sanha dos inimigos, aos “cachorros e abutres de Troia”. Cego de dor pela perda do amigo, Aquiles leva o cadáver de Heitor para o acampamento grego e por nove dias exercita-se em humilhá-lo, arrastando-o repetidamente em volta do túmulo de Pátroclo.

Os deuses a tudo observam e se indignam. É por intervenção deles que, embora ultrajado, o corpo do troiano permanece incólume, e é também por ação divina que Príamo, pai enlutado, consegue se aproximar de Aquiles para lhe suplicar de joelhos que o corpo do filho lhe seja devolvido. Aquiles assente e vai além: oferece a Príamo doze dias de trégua, de modo que as exéquias de Heitor sigam o cerimonial devido. Troia pode então chorar seu filho e lhe render homenagem, costume que constitui sintoma de civilização, não importa o grau de violência com que se pratique a guerra.

E assim termina a Ilíada, não no triunfo do célebre e inexistente cavalo de Troia (essa passagem não consta de nenhuma narrativa homérica, como se descobriu), mas no êxito dos rituais de reverência e dor que acompanham o exercício do luto.

Um ensaio de Freud, “Luto e melancolia”, nos ajuda a compreender por que razão, tal como nossos antepassados remotos, precisamos reaver o corpo dos nossos mortos. A premissa é que não, existindo representação da morte no inconsciente, o medo da morte se desloca para outros territórios. Manifesta-se, por exemplo, como sentimento de desamparo, solidão e abandono – lembremos o costume de nos agruparmos como família nos cemitérios, próximos dos que amamos, ou as concepções de vida eterna e reencarnação, tão variadas quanto são as culturas e as religiões.

Contudo, se a ideia da morte nos é insuportável, como se dá o luto? Freud o confronta com o fenômeno da melancolia. Nesta, há uma recusa a abandonar o objeto amado que perdemos; por meio de rememoração contínua, insistimos em mantê-lo presente. A melancolia é essa disfunção do luto que torna o objeto uma presença eterna. Já no processo de luto o objeto que se perdeu no mundo exterior torna-se uma presença no espírito de quem sofreu a perda. O ódio iniciado com a perda se acomoda, desenvolvemos uma identificação com o que perdemos.

Nesse percurso, um paradoxo: o espírito se enriquece, e o faz por via de trajetos trágicos. Necessitamos do corpo para apoiar essa quase impossível tarefa do luto. Como que damos vida ao corpo presente para poder repetir a experiência da perda e nos conformarmos com ela. Para que, libertos da sombra daquele que se foi, a vida possa prosseguir seu trajeto.

Quando o que temos não é o morto, mas o desaparecido, nem sequer a melancolia pode se instaurar. Cria-se um vazio em nós, um buraco negro que, como parasita, atrai para si o pensamento e os afetos, introduz deformações nos caminhos da alma. No plano da cultura e da história ocorrerá a mesma deformação que se abate sobre os destinos individuais. A cultura como que se paralisa, empobrece, pode mesmo gerar monstruosidades.

Hoje, na América Latina, familiares e companheiros dedicam a vida a buscar os restos de um ser cuja existência é recusada no mesmo momento em que se recusa sua morte. Nessa busca, tornam-se testemunhas não só da verdade de um sujeito singular, mas também de um momento trágico da história coletiva.

Não é outro o âmbito desta reflexão, suscitada também por conversas informais com entrevistadores da Comissão da Verdade. Uma das perguntas que afloraram ali foi esta: por que até agora não se produziram no Brasil obras literárias ou cinematográficas relevantes sobre o período da ditadura militar? A nosso juízo, a maioria das obras que já veio a público teria caráter jornalístico ou catártico, o que se explicaria sobretudo por não ter ocorrido uma ruptura real com a ditadura; um acomodamento ignorou os elementos potencialmente traumáticos daquela transição.

Aqueles que a ditadura representou recusaram a dor e a perda. Não quiseram a ruptura e conseguiram escamoteá-la dos que necessitavam dela. Os que se opunham não tiveram força para se fazer valer ou cederam à acomodação – e os nossos desaparecidos ficaram impossibilitados de existir até mesmo como desaparecidos. Tornaram-se sintoma exemplar de um acordo político que se fez impedindo o luto ou mesmo uma possível melancolia. Não se registraram perdas. A história teve de continuar calada. Como não pensar que esses restos autoritários, retrógrados, tingiram os pactos de silêncio que se seguiram e estão na raiz de deformidades que hoje explodem como distopias em nossa sociedade?

Os buracos de pensamento, as maquiagens, as recusas da verdade afetam o conjunto da sociedade. Pode bem ser que essa crise se encaminhe para outras figuras e setores sociais, à espera apenas de uma falência para entrar em cena. Teremos outros movimentos históricos, é certo, mas nossos desaparecidos continuarão a nos assombrar. De modo semelhante, nosso passado escravagista é um fantasma cotidiano que nos assola no mais íntimo dos nossos lares. Recusar a narrativa do trágico da história alimenta inevitavelmente os fantasmas. Aproveitando-se das nossas obscuridades, eles não perderão a oportunidade de reaparecer.

*Leopold Nosek é médico, psicanalista, membro e ex-presidente da SBPSP.

In-Tolerância ! O que a Psicanálise tem a dizer – parte 2

Sob o prisma das relações de alteridade e de responsabilidade, a questão ética nos coloca empaticamente relacionados com o outro em diversos graus

Por Ilana Waingort Novinsky*

A experiência clínica hoje aponta que não podemos limitar o nosso foco apenas à vida intrapsíquica presente e manifesta dos pacientes, sem prestar atenção ao que se passa ao nosso redor. Para realizarmos o trabalho analítico e lidar com os novos tipos de sofrimento e adoecimento que se apresentam em consultórios, é necessário resgatar os valores que nos colocam em reverência à alteridade, compreendida como matriz de uma ética individual e das relações humanas. Para acolhermos o outro, que é sempre diferente e estranho, é preciso poder reconhecermos que ele é um ser humano como eu.

É a relação com o outro, o pertencer a um grupo, o ser parte de uma comunidade o que constitui a condição fundamental para o nosso vir a ser e para o desenvolvimento da singularidade de cada um. A questão ética aqui se refere às condições necessárias para o acontecer humano, isto é, ao que permite a cada um de nós participar de uma comunidade.

Habitualmente a ética é vista como fruto do aprendizado, de algo que se acrescenta a uma personalidade que estaria se formando, se organizando, daí a importância dada à educação.

Entretanto, o trabalho do psicanalista inglês Donald W. Winnicott nos mostra que a questão ética faz parte da própria condição humana, do modo de ser de uma criança, do que lhe é originário. Há, desde o início da vida, segundo Winnicott, um pressentimento do ético: uma criança que tem a experiência de ser cuidada, recebe desta forma também um saber sobre a ética, um elemento fundante, sobre o qual inúmeros outros elementos psíquicos podem acontecer.

O que caracteriza o cuidado ético é a atitude que se exprime na consideração pelo outro e por suas necessidades. Na ausência desta atitude as ações do cuidar perdem sua motivação ética, se desvalorizam e deterioram. Quando este cuidado ético não acontece, temos a presença de fraturas nos fundamentos da ética da criança, e ocorrem fissuras psíquicas no seu desenvolvimento.

Nossos pacientes são testemunhas dessas fragmentações éticas, com seus inúmeros sofrimentos, como a perda do sentido de si e do contato com os outros. Podem sentir uma profunda solidão, sem alguém que os façam se sentir humanos e pertencendo à comunidade humana, e desenvolver assim uma visão niilista da existência. Aqueles que não experimentaram este cuidado ético fundante tendem a reproduzir comportamentos de violência explícita no nível social, tendências anti-sociais, através da participação em organizações delinquentes, como tentativas de sobrevivência psíquica.

Todo ser humano nasce numa experiência de “nós”, de pertencer a um grupo familiar e precisa viver a experiência de hospitalidade, como experiência fundante, neste seu grupo familiar e humano. Este cuidado é parte fundamental das condições ontológicas da constituição da pessoa humana, e sem ele a dimensão ética é apenas superficial ou impossível de ser acessada. Isto significa que sem a experiência de cuidado não temos como conviver e viver em um mundo hospitaleiro e solidário, com compaixão e tolerância. Cuidar, aqui, implica tolerar o outro: aquele que não foi cuidado, recebido como um outro, tem pouca possibilidade de poder receber também um outro, de tolerar a singularidade do outro.

A criança que encontra apenas figuras que encarnam força, mas que não lhe permitem ter as experiências fundantes aqui apontadas pode desenvolver ideais fantásticos de si mesma, desenraizada da condição humana. Pode também buscar a autoridade pelo negativo, entrando em uma sequência de comportamentos delinquentes na busca de quem a pare, de quem a devolva a uma ética da condição humana. Estas são situações que ocorrem a partir do sofrimento de crianças que viveram a violência e a intolerância.

Hoje, os indivíduos, famílias, grupos e instituições mostram-se incapazes, muitas vezes, de oferecerem estas formas fundamentais de cuidado, pois passam por graves descontinuidades e arcam com certo descrédito.

A proliferação de ideologias e grupos totalitários e a globalização de diferentes formas de intolerância, mais uma vez, atestam as falhas nos dispositivos de acolhimento e reconhecimento disponíveis no mundo contemporâneo. Uma sociedade tecnológica, de competição e da imagem revela, assim, pelo avesso as graves deficiências em mecanismos sociais de reconhecimento dos indivíduos em suas singularidades.

Os fenômenos totalitários chamam a atenção para a intensa demanda de inclusão e da busca de objetos capazes de fornecer sustentação e continência. É justamente a massa de indivíduos, avulsos e desamparados, a que mais se sente atraída pelas promessas de englobamento absoluto, proferidas pelas ideologias totalitárias e seus líderes.

Na questão da tolerância, a meu ver, não se trata de “tolerar, ou ter paciência” com o mais “fraco, infantil ou necessitado”, ou seja, de uma relação de poder. Trata-se de ver, sentir e viver com o Outro, de reconhecer como partilhamos as mesmas necessidades, fragilidades e angústias. Neste contexto a experiência de empatia surge como experiência humana fundamental.

Estamos aqui no campo do entre-nós, onde precisamos acolher o desproporcional, o trágico e o paradoxal, como aspectos inerentes ao nosso campo de experiências, estudos e reflexões. Desta forma, a perspectiva epistemológica usada tanto no estudo sobre a pessoa humana quanto nas relações de tolerância e intolerância, mais do que ser um elemento relacionado à teoria do conhecimento, expressa uma posição ética.

A questão da intolerância/tolerância, sob o prisma das relações de alteridade e da responsabilidade, nos coloca empaticamente relacionados em diversos graus com o Outro.

Quando não podemos mais acompanhar e sermos acompanhados nas nossas necessidades e vocações, estamos em meio à intolerância e em seu extremo, na barbárie: quando o Outro é usado, negado, em nome de objetivos e justificativas os mais variados. Não é apenas a ética que está em suspensão, mas ocorre uma destituição da pessoa humana em níveis tão profundos que a própria capacidade de atuação desaparece e o ser humano perde seu lugar, como ator psíquico e político, como ocorreu durante as perseguições e campos de concentração nazistas.

Uma reflexão psicanalítica sobre a questão da tolerância/intolerância, nos leva à questão das necessidades éticas fundamentais, sem as quais estamos condenados ao adoecimento e à barbárie – à intolerância.

*A psicanalista Ilana Waingort Novinsky é Membro Associado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e o texto acima é a segunda e última parte de um ensaio em que ela discute e intolerância.

Nise – O Coração da Loucura

“Nise – O Coração da Loucura”, Brasil, 2016 – Direção: Roberto Berliner
Por Eleonora Rosset*

Quem será essa senhora de tailleur bordô, coque, salto baixo e bolsa, que bate com delicadeza na porta alta de ferro? Ninguém aparece. E ela, persistente, bate com um pouco mais de força. Nada. Então, com uma força surpreendente, ela esmurra a porta, até que alguém vem abrir.

Esse início do filme apresenta Nise da Silveira (1905-1999) à plateia que ainda não a conhece. Dá para notar que ela é uma pessoa que opta primeiro pela educação mas que, se preciso for, usa até a força para conseguir o que quer.

E foi preciso muita delicadeza e força mescladas para conseguir realizar o trabalho que ela fez no Centro Psiquiátrico Nacional, no Engenho de Dentro, depois que saiu da prisão da ditadura Vargas, acusada de ser comunista, onde ficou de 1934 a 1936.

Era um tempo no qual se confundia hospital psiquiátrico com prisão. Médicos e enfermeiros eram carcereiros e agentes de punição. O medo andava junto com a sujeira e o abandono, nos corredores e enfermarias daquele hospital.

A Dra. Nise (Gloria Pires, magnífica), única mulher entre os psiquiatras, foi logo afastada da prática clínica porque não concordava com lobotomias e eletrochoques. Acabou no lugar menos frequentado do hospital e com quase nada de verba, o STO, Setor de Terapia Ocupacional.

Ao chegar no local, cheio de lixo, ela arregaçou as mangas e começou o seu trabalho com balde e vassoura, ajudada por uma enfermeira de boa vontade.
Tudo limpo, ela convida os clientes (“pacientes somos nós que temos de ser com eles”), que vagam pelo pátio de terra, uns nus, outros vestidos em farrapos, para entrar:

“- Deixa que eles façam o que quiserem”, diz para Ivone, a enfermeira.
Aos palpites repressores do enfermeiro Lima (Augusto Madeira), ela retruca:
“- Cala a boca! O que eles falam aqui é matéria prima de nosso trabalho. Ouça. Observe. E cala a sua boca!”

Incansável, ela pesquisa prontuários e ousa abrir o “cofre”, a solitária onde Lucio, visto como capaz de matar, está encerrado há dias. Traz quem pode para o pátio e um jogo de bola é o início da aproximação entre ela e aquelas pessoas evitadas.

Logo, Nise consegue a ajuda de Almir (Felipe Rocha) que vai sugerir um novo caminho. Traz tintas coloridas e cavaletes com telas e assim começa o que hoje é o legado do Museu de Imagens do Inconsciente, inaugurado no Rio de Janeiro em 1952.

Seguidora de Jung, a quem escreve relatando seu trabalho, Nise acreditava na busca de uma linguagem que pudesse trazer à tona tudo aquilo que jazia no inconsciente de seus clientes. Via nas telas a história de cada um. Do caos inicial surgia o começo de uma integração. As imagens pintadas organizavam o que antes não tinha voz.

Mario Pedrosa (1900-1981), interpretado por Charles Fricks, o maior crítico de arte da época, vê artistas nos clientes de Nise e acontece a exposição “Os Artistas de Engenho de Dentro”.

A Dra. Nise da Silveira, em pessoa e com bom humor, fecha o filme e nos deixa com os olhos marejados.
Alguém do meu lado no cinema diz:
“Ah! Se existissem mais pessoas como ela…”

O excelente roteiro, baseado no livro “Nise – Arqueóloga dos Mares” de Bernardo Horta, a direção inspirada de Roberto Berliner, a trilha sonora brilhante de Jaques Morelembau, a fotografia impecável de André Horta e um elenco harmonioso, ajudam a contar a história dessa grande mulher.
Imperdível.

*Eleonora Rosset é psicanalista, membro da SBPSP e autora do Blog “Uma psicanalista vai ao cinema” (http://www.eleonorarosset.com.br/).

Intersubjetividade, alteridade e terceiridade: por uma teoria psicanalítica viva para lidar com desafios da nossa época

Por Talya S. Candi*

Os múltiplos desafios da clínica na atualidade exigem que o psicanalista se debruce sobre os aspectos intersubjetivos da experiência analítica. Isto implica poder criar e construir junto com o paciente um dispositivo e uma linguagem feitos sob medida para permitir o desenvolvimento de uma relação baseada na confiança e na sinceridade. A descoberta da contratransferência inaugurou uma nova visão sobre o processo analítico, que não transcorre apenas do lado do paciente, mas também do lado do analista. A.Green (1975) nos sugere pensar a situação analítica a partir de uma concepção global da contratransferência que inclui diferentes aspectos de seu funcionamento mental desenvolvidos em suas experiências pessoais de análise e formação, em seu diálogo com teorias e colegas e sobretudo no contato com seus pacientes. A subjetividade do analista, seu corpo, suas crenças, pensamentos e história de vida estão implicados no processo analítico e devem ser cuidadosamente monitorados pois podem não só estabelecer conluios inconscientes com o analista, mas também e sobretudo se constituir numa das fontes mais valiosas para a elaboração da interpretação. Os conluios devem ser vistos como “nós interativos” que podem paralisar a imaginação e o pensamento criativo do analista e imobilizar o processo analítico. A analista inglesa Betty Joseph estudou em detalhes este tipo de conluio.

Não é possível, no entanto, que haja um verdadeiro processo de análise se o analista não se dedica a processos de identificação com o paciente, concordantes ou complementares, e se não tolera também momentos de indiscriminação e fusão. Em suas respectivas conceptualizações sobre o terceiro analítico, Green(1975) e Ogden (1994) postulam a ideia de que o objeto analítico é construído por paciente e analista. Para estes autores, os momentos de intensa empatia e ligação intersubjetiva devem se alternar dialeticamente com outros de maior distância e discriminação entre paciente e analista. Este vai-e-vem entre vivências de fusão e outras de discriminação, ligação e desligamento, junção e separação, mobiliza os afetos e as representações que promovem a criação do sentido e a simbolização. O progresso da análise leva ao crescimento da capacidade reflexiva compartilhada, o que permite ao paciente (e também ao analista) uma visão mais objetiva de si mesmo. Neste delicado contexto, a atuação do analista objetiva trabalhar a partir do segundo olhar, visando sempre se apropriar dos pedaços mais estranhos de si mesmo, das alteridades, de dentro e de fora, do inconsciente e dos outros que ameaçam o mundo ideal da plenitude narcísica. Para T. Ogden, a tarefa analítica deve envolver o esforço para ajudar o paciente a se tornar humano em um sentido mais amplo do que ele conseguiu até aquele momento. Ajudar o analisando a se tornar mais plenamente humano implica facilitar as tentativas do paciente de experimentar uma gama mais ampla de pensamentos, sentimentos e sensações percebidos como próprios na sua diferença, e que ele sente terem sido gerados no contexto de suas próprias relações presentes e passadas com outros seres humanos (inclusive com o analista). Neste contexto, a interpretação analítica torna-se o instrumento para expandir os vínculos entre as experiências emocionais significativas e promover novos vínculos que ampliem a rede do sentido e o repertório do que significa se sentir vivo .

*Talya S. Candi é psicanalista, membro da SBP-SP e a coordenadora do evento “Intersubjetividade, Alteridade, Terceiridade: Que conceitos são estes e sua relevância para a Psicanálise Contemporânea”, uma série de conferências e discussões que acontecem no sábado, 12 de março, na sede SBP-SP, a partir das 9h, numa iniciativa Diretoria Científica da SBP-SP.

No tempo da diversidade

No tempo da diversidade

Para lidar com as novas diferenças macro e microculturais nas relações e vínculos dos grupos, da família ou do casal, é precisar criar espaços para reflexão e buscar respostas que sugerem renovações teóricas e clínicas.

Por David Levisky *

Trabalhos psicanalíticos recentes tem tratado a diversificação dos espaços psíquicos e as modalidades inconscientes de seus funcionamentos. O sujeito, o vínculo e o grupo, a saber o casal, a família e mais largamente a cultura revelam uma complexidade que o VII Congresso da Associação Internacional de Psicanálise de Casal e Família (AIPCF), que acontece em entre 3 e 7 de agosto, em São Paulo, se propõe a explorar ao nível das renovações clínicas e teóricas.

Uma primeira dimensão da diversidade cultural encontra-se na psicanálise de família, já que o grupo contém diferenças macroculturais de origem social ou étnica. Mecanismos de defesa como a negação e conflitos entre ideais culturais pesam significativamente na vida psíquica da família. Como trabalhar os processos associativos durante a sessão analítica para colocar em evidência e conduzir na direção de uma diferenciação que integra ou não a diversidade cultural?

Os conflitos culturais podem ser reminiscências de mudanças sociais em ressonância com a história da família ao mesmo tempo em que são portadores do inédito e estão voltados para o futuro? No seio de uma mesma família há uma segunda dimensão da diversidade cultural oriunda de processos contínuos das diversidades microculturais ao longo das gerações. Como ajudar a família a superar as turbulências ligadas a eventos que geram processos defensivos e fazer evoluir em sua microcultura?

Um terceiro aspecto da diversidade cultural em psicanálise de casal e família atinge a cultura pessoal e psicanalítica do analista, particularmente no trabalho gerado no campo transferencial/contra-transferencial. A psicanálise de casal e família é uma traição a uma suposta ortodoxia psicanalítica ou, pelo contrário, uma diversificação do exercício psicanalítico, um avanço capaz de enriquecer o corpo metapsicológico?

Estas são algumas das questões que o VII Congresso se dispõe a debater e desde já contamos com a participação dos colegas, cujas presenças certamente enriquecerão o debate e as respostas para temas da maior relevância.

*David Levisky é psicanalista e membro efetivo da SBPSP.

O vício, em cinco questões para o psicanalista Oswaldo Ferreira Leite Netto

O vício, em cinco questões para o psicanalista Oswaldo Ferreira Leite Netto

Médico e psiquiatra formado pelo Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o psicanalista Oswaldo Ferreira Leite Netto é membro associado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, na qual coordena o grupo de estudos Psicanálise e homossexualidade. Diretor do Serviço de Psicoterapia do Instituto de Psiquiatria da FM-USP, Leite Netto respondeu a cinco questões propostas pelo Blog da SBPSP para refletir sobre vícios numa época em que, alguns deles, parecem valorizados socialmente como “vícios do bem”. “A palavra vício é fortemente carregada de sentido moral e algum referencial precisa estar presente”, diz Leite Netto que, junto com suas respostas, também produziu uma importante reflexão sobre a prática e importância da psicanálise.

Como se identifica um vício ou um “comportamento viciado”?

Oswaldo Ferreira Leite Netto. Vício é um hábito prejudicial e que aprisiona e limita a vida de uma pessoa. Mas é claro que, como psicanalista, relativizo  e preciso perguntar quem está dizendo que se trata de um vício. A pessoa que nos procura, sua família, seu pai, sua mãe, sua mulher ou marido ou companheiro? Quais os critérios que utiliza para esse julgamento? A palavra vício é fortemente carregada de sentido moral e algum referencial precisa estar presente porque é o que está sendo valorizado.

Quando bem vistos socialmente  _como o “vício” em exercicios físicos, por exemplo_, os vícios são a versão extrema dos valores de uma sociedade e/ou de uma época ou é apenas uma questão de personalidade? Por quê?

Oswaldo Ferreira Leite Netto. O sujeito humano está sempre interagindo com seu grupo, sua época, daí a complexidade e um contínuo desconforto pela exigência de adaptação. No seu íntimo, em seu mundo interno, estão conjugados, em harmonia ou em conflito, os valores externos da sociedade e/ou época, e suas necessidades e desejos mais internos, que podem transbordar, ameaçar o próprio indivíduo e quem está a sua volta, demandando arranjos em sua personalidade, imposições de comportamentos ou vícios sem a pessoa se dar conta completamente que estas adesões vêm dela.

Quais os perigos de se cultivar estes que seriam “vícios do bem”?

Oswaldo Ferreira Leite Netto. Do meu ponto de vista, a restrição e o empobrecimento de se viver cada momento e as intensidades do que se pode experimentar aqui e agora, com liberdade. Nunca se sabe o que vai acontecer, há o necessário a ser feito, por exemplo para manter a saúde, mas nunca  é o suficiente. É ilusório, mas pode tranquilizar naquele momento, se achar protegido porque está fazendo tudo certo. Mas a morte vai chegar e pode vir do acaso, das doenças , dos acidentes, muito antes do que se imaginou, ou porque a idade está avançada.

Como conviver e tolerar os “viciados”? Uma vez que seus vícios são “do bem”, como apontar que eles podem ser tão aprisionantes quanto um outro vício qualquer?

Oswaldo Ferreira Leite Netto. Conviver com o outro, com as diferenças,  por si só é um desafio constante. Na intimidade do lar,  no trabalho, na vida social. Preconceitos e exclusões são fenômenos constantemente observados. E as pessoas reagem se sentindo acusadas ou desqualificadas: “viciado!”  Num trabalho com um psicanalista, na intimidade e no sigilo desse processo, pode-se começar a desconstruir mitos e crenças que uma pessoa alimenta e que podem estar sustentando esses comportamentos. E o paciente deve se sentir menos cobrado, menos acusado ou “desqualificado”,  para poder se desarmar e dispensar certas práticas que não se justificam, que estão a serviço de fantasias e que podem ser relaxadas.

Qual o primeiro passo para se libertar de um vício?

Oswaldo Ferreira Leite Netto. Penso que ele pode vir quando a pessoa se dá conta que há insatisfação e dor. Começa a surgir a ideia ou sensação do exagero, da vida restrita. A pessoa precisa ser tocada por uma desconfiança de que a vida talvez seja para ser vivida e não resolvida. Alimentação ajuda, exercício ajuda, botox e plástica também….mas não salva do envelhecimento, da doença, da morte. Mas a gente pode se tornar mais livre, autônoma, independente, generosa, amorosa e sábia para admitir que o que não tem remédio, remediado está. E tentar gozar a vida, que tem começo meio e fim.

Sobre vícios e virtudes

O que deve ser cultivado e o que deve ser evitado?  Eis a questão com a qual  começamos a entender que viver é basicamente muito difícil para nós, humanos

Por Oswaldo Ferreira Leite Netto

Diante destas questões sobre o vício, fico, como psicanalista, na posição de quem sempre precisa, primeiro, explicitar.  E acho que isso é o mais importante ao se divulgar a psicanálise, como ela funciona, do que se ocupa, como surgiu e como foi se constituindo.

Qual é o ponto de vista da psicanálise e do psicanalista? Qual a sua contribuição? De onde ele fala? É preciso lembrar que a psicanálise nasceu das mãos de Sigmund Freud, neurologista sediado em Viena, no início do século 20, para atender necessidades médicas.

Naquela época, pacientes que apresentavam sinais ou sintomas, manifestações estranhas, patológicas, limitantes e sofridas como grandes crises de agitação, paralisias ou desmaios, perturbavam e desafiavam os médicos.  Por que não se encontravam no corpo, no “organismo” desses pacientes, as causas de tantos sintomas?

A medicina se desenvolveu, tornou-se consistente e cada vez mais científica e confiável e até hoje segue assim: para as alterações encontradas  no corpo,  há uma explicação, uma causa e, portanto, uma indicação para a busca de um tratamento, de um caminho a ser adotado para eliminar o fator que estava causando a perturbação ou ao menos para tentar controlá-lo.

Assim,  os avanços mais significativos e importantes na medicina, além dos recursos terapêuticos como medicamentos e aprimoramento de técnicas cirúrgicas,  se dão no campo dos recursos diagnósticos. Exames laboratoriais e de imagem, com todas as conquistas tecnológicas, investigam e descobrem alterações no corpo, explicando a alteração, o mal funcionamento, a dor, a febre, o mal estar.

Mas se voltarmos à época em que Freud  viveu, o que se chamava de histeria, paralisias, cegueiras, diferentes formas de perda de função normal às vezes não se explicava. Não era, portanto, possível oferecer recursos terapêuticos pelo que se tentava descobrir a partir de alterações no corpo e no organismo.  Nada, afinal, estava, em alguns casos, relacionado à alteração nos órgãos, nos músculos, nos nervos, na circulação sanguínea.

A sacada genial de Freud foi, ao ouvir e observar seus pacientes, tentar  entender outros aspectos, sobretudo de suas personalidades, ao conversar e se aproximar de cada paciente que o procurava. E quando o assunto é gente, ninguém discorda, tudo pode, na prática, ser muito mais complicado do que imaginamos.

Temos uma mente e dela podemos não estar compreendendo alguns aspectos ou mesmo desconhecendo detalhes do seu funcionamento. Podemos estar pouco conscientes de nós mesmos e do que está nos pressionando ou provocando certos sintomas.

Freud chegou às ideias de inconsciente, de repressão e da importância da sexualidade. Aquelas mulheres poderiam estar, por exemplo, com frustrações amorosas e sexuais? Que foram postas de lado? O sinal mais indireto, mas melhor perceptível eram os sintomas ditos então conversivos. Uma energia que alimentaria um sentimento de paixão, de ternura, de desejo, que facilitaria um prazer erótico, na vida sexual da pessoa, se desvia e vai se concentrar num órgão ou aparelho?

Somos todos muito diferentes dos outros seres do reino animal. Paradoxalmente, ainda assim somos animais, seres biológicos: precisamos comer, precisamos descansar, temos um aparelho reprodutor, produzimos filhotes. Mas habitamos também um reino da cultura, que nos controla, nos exige, nos impõe princípios, limites, hábitos, valores que  vão nos distanciando do reino animal. Mas estamos sempre pertencendo a ele. Temos um corpo, do qual a medicina se ocupa. Mas temos uma mente que pode estar em conflito, com inúmeras questões, desde o início de nossas vidas.

O que nos foi imposto pela nossa família original? Um menino joga bola, a menina brinca com bonecas. Menino usa determinadas cores em suas roupas, meninas outras. Nossa família é católica e vai à igreja aos domingos. Nossa família come peixe cru. Em nosso país comemos feijoada e tomamos caipirinha, sobretudo aos sábados. Devemos fazer atividade física para mantermos a saúde. Hoje a medicina recomenda academia até para os bem idosos. O peso deve ser mantido e controlado dentro de determinados limites. Sol sem excesso. Usar protetor solar evitará o envelhecimento, as rugas, a feiúra.  Se os seios estão flácidos, são pequenos e pouco atraentes, pode-se aumentá-los, deixá-los mais rígidos e firmes, para que a mulher  se sinta mais bela, mais atra ente e  certamente mais desejada .

A vida no reino da cultura impõe regras, padrões, expectativas e controles sobre o comportamento das pessoas. Umas controlando as outras. Ao sinal vermelho, pare. No amarelo preste atenção. Só prossiga no verde. Atravesse nas faixas. Controle-se, respeite os mais velhos, não diga palavrões. Mesmo que tenha muita raiva, não agrida fisicamente seu semelhante. Não mate. Você poderá ser rejeitado, excluído. Comportamentos passam a ser moralmente controlados. Desclassificados ou valorizados. Noções de bem e mal, virtudes e vícios. O que deve ser cultivado e o que deve ser evitado? Aí é que começamos a entender como viver é basicamente difícil para nós humanos, com tanta coisa para administrar.  Viver razoavelmente bem, com alguma satisfação, enquanto a velhice, as limitações e a morte não chegam.

Sabemos que vamos morrer,um fator a mais para a complicação e para o sofrimento íntimo: medos, fantasias, angústia, pânico. E tentamos nos livrar dessas ideias, desses perigos. E começamos a nos iludir. Isso não vai acontecer comigo (só com os outros!), vou só comer verduras, não vou fumar, vou evitar o descontrole, sexo só com camisinha; “nesta parte do corpo da minha companheira  não ponho minha mão”, “ nesta, do meu companheiro, muito-menos-a-minha- boca- de-jeito-nenhum”. “Este eu não beijo, o que vão pensar?”

O que a psicanálise ilumina e traz ao exame, à compreensão, é esta complexidade toda, estas motivações que podem estar escondidas e secretas,, determinando  nossos comportamentos, pensamentos e desconfortos. Podemos estar nos defendendo, nos protegendo com recursos que podem, também eles, estarem nos custando caro demais.

 

Psicanálise em cena

O diálogo da Psicanálise com a arte está na raiz do próprio pensamento freudiano que, ao formular suas teorias, fez uso de mitos e tragédias para costurar conceitos e formular hipóteses de compreensão da psique. No texto a seguir, a psicanalista Silvana Rea fala sobre duas óperas que serão encenadas em São Paulo e aproveita para contextualizar e explicar a tragédia de Édipo Rei e sua importância na teoria freudiana.

Psicanálise em cena

Por Silvana Rea*

Nos últimos dois fins de semana de novembro, o Teatro São Pedro, em São Paulo, apresentará em uma única récita duas óperas poucas vezes encenadas: Oedipus Rex de Igor Stravinsky com libreto de Jean Cocteau e O Homem dos Crocodilos, de Arrigo Barnabé com libreto de Alberto Muñoz.

Oportunidade única para assistir a duas obras primas, mas também oportunidade para assistir a fundamentos e conceitos psicanalíticos em cena.

Vamos começar com Oedipus Rex, ressaltando a importância do mito e da tragédia de Édipo Rei como organizador do pensamento de Freud e que culmina na formulação do complexo de Édipo, o fio que costura a teoria psicanalítica.

Mas antes de pensarmos em termos de complexo, é preciso lembrar que Édipo Rei é um mito grego que foi transportado da tradição oral para a forma de tragédia no teatro de Sófocles. Trata-se de uma narrativa que todos devem conhecer – o filho que, sem o saber, mata o pai e desposa a mãe.

Freud, em seu esforço para construir uma estrutura teórica que desse conta dos fenômenos que observava em sua clínica, apoiou-se neste mito grego para pensar as questões do desejo e da sexualidade humana. Em carta a seu amigo Fliess, em outubro de 1897, ele faz a primeira menção explicita a Édipo, considerando que a paixão pela mãe e os sentimentos hostis pelo pai descobertos em sua autoanálise, pudessem ser comuns a todos. Isto se confirmaria na força avassaladora que a encenação da peça provoca nos espectadores.

Mas Freud só vai pensar no mito como um complexo a partir de 1910. Para aqui chegar, precisou antes elaborar suas ideias sobre a sexualidade infantil e sobre a repressão, ou recalcamento.

Vamos então caminhar um pouco para trás. Em 1895, Freud, juntamente com Breuer, nota que a resistência das pacientes histéricas em lembrar aquilo que as afligia, indicava que certas ideias eram separadas da consciência e era esse desconhecimento (ou não lembrança) que gerava os sintomas. Ele começa a elaborar um tratamento que visa a recuperação e integração à consciência dessas ideias, inicialmente pela hipnose, posteriormente pela sugestão e por fim, pela associação livre.

Ou seja, as pacientes histéricas levam Freud à ideia de que uma força ativa fez com que essas ideias e lembranças fossem retiradas da consciência. Portanto, pensa ele, se há um resistência em lembrar, houve uma pressão que fez esquecer. Conclui, então, pela existência de uma resistência que exerce a força que reprime ou recalca. E mais, que há um mundo reprimido inconsciente.

Postular a existência de um inconsciente ativo dá sustentação à sua tese sobre a sexualidade infantil, formulada a partir de seu trabalho com pacientes histéricas e que provocou escândalo nos meios científicos do fim do século 19.

Sim, porque Freud passa a considerar que a histeria tem uma etiologia sexual, ligada a experiências infantis traumáticas que foram reprimidas. E como nota, contrariando sua hipótese inicial de que seriam vivências factuais, as pacientes fantasiam cenas e situações a partir de seu desejos sexuais; desejos infantis os quais, em última instância tem como objeto um de seus genitores. Isto o leva a postular que no inconsciente não há diferença entre realidade ou fantasia.

Agora sim, podemos começar a falar no Complexo de Édipo.

O que é um complexo? Trata-se de um conjunto de representações parcial ou totalmente inconscientes, relativas a situações infantis e que se organizam em função de desejos amorosos, de ódio e agressividade. O complexo de Édipo portanto, refere a uma rede de desejos que se expressam em fantasias ligadas ao parricídio e ao incesto.

Tomando como metáfora o mito e a tragédia de Sófocles, o Complexo de Édipo tem importância fundamental na teoria freudiana por seu valor estruturante da sexualidade e do psiquismo. Ele introduz a questão da alteridade e é o conceito instaurador do superego, da lei e da civilização. Fundamental na constituição da subjetividade, é o principal eixo de referência a partir do qual os sujeitos encontram suas diferentes formas de ser.

O modo de ser do Édipo de Stravinsky e Cocteau é o de um personagem, em parte buscando a verdade de suas origens a qualquer preço, em parte ocultando-a, desafiando o destino ao qual acaba submetido.

Vamos agora conhecer o modo de ser d’ O Homem dos Crocodilos, uma livre adaptação do caso clínico de Freud “História de uma neurose infantil”, conhecido como o Homem dos Lobos.

Dentro de um consultório psicanalítico, a narrativa da ópera desenvolve-se em uma, ou várias sessões de análise do compositor Antônio da Ponte, atormentado pela ideia de que um piano lhe cortará fora as mãos. A partir deste mote, traça uma viagem onírica pelos sonhos, fantasias e associações do paciente e da analista.

A análise de Serguei Pankejeff, o nobre russo apelidado de Homem dos Lobos, centra-se em um sonho: o sonho dos sete lobos brancos, que Freud relaciona com a cena primária. O que reafirma, para ele, o papel da sexualidade infantil na formação das neuroses. E como Pankejeff, Antônio passa por diversas análises sem sucesso, o que introduz a noção freudiana de compulsão a repetição.

Ou seja, a ideia aqui é a de que fantasias recalcadas infantis e ligadas ao Complexo de Édipo, experiências traumáticas que não podem ser recordadas, ressurgem de maneira disfarçada. Para Freud, aquilo que está reprimido – e portanto não lembrado – é expresso por uma atuação, repetidamente. Cada paciente começará sua análise movido por uma repetição desse tipo, que será vivenciada na relação com o analista naquilo que Freud denominou de transferência. Um fenômeno de atualização de experiências passadas à pessoa do analista, em busca de elaboração e ressignificação. Sem isso, repete-se.

Com a noção de compulsão a repetição, O Homem dos crocodilos também se configura como uma tragédia clássica. Antônio da Ponte sofre por algo que desconhece e contra o qual ele luta, mas que guia o seu destino. Aqui, não são os deuses, mas a força do inconsciente e a tendência do aparelho psíquico a repetir.

Bom espetáculo a todos.

 

*Membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, Mestre e Doutora em Psicologia da Arte pelo Instituto de Psicologia da USP (IP-USP), editora da Revista Brasileira de Psicanálise.

 

Drogas, solidão e confusões

A dependência química é uma das mais graves formas de adoecimento mental e seus efeitos, geralmente, se alastram para muito além do indivíduo que consome a droga. Trata-se de uma questão de saúde pública, que repercute nas diferentes esferas sociais. Recentemente, o jornalista britânico Johann Hari publicou um segundo trabalho acerca do tema, sugerindo novas hipóteses sobre o vício que, se corretas, transformariam toda a estratégia dos profissionais envolvidos no combate às drogas. O artigo abaixo, da psiquiatra e psicanalista Adriana Rotelli Resende Rapeli, faz uma breve análise sobre o estudo e as suposições de Hari. Para quem se interessa pelo tema, vale a leitura!

Drogas, solidão e confusões.  

Por Adriana Rotelli Resende Rapeli*

Um amigo pediu minha opinião sobre o livro “Chasing the Scream”, do jornalista britânico Johann Hari, tal como vinculado pelas redes sociais há algumas semanas. Veja matéria aqui.

Pelo que li na internet, o jornalista entende que há razões sociais e políticas para que as drogas tenham sido proibidas nos EUA, há aproximadamente 100 anos. Os argumentos do artigo se baseiam em entrevistas que ele fez ao redor do mundo com pessoas que foram ou eram dependentes químicos e em resultados de experiências com ratos de laboratório, que mostravam que estes consumiam menos a água que continha substâncias químicas se houvesse mais ratos e opções de atividades em suas gaiolas. Completa citando a diminuição do consumo de heroína quando os soldados que lutaram no Vietnã voltavam para casa. Conclui que a dependência química seria causada pela solidão, pelo estresse e pela falta de opções sociais. E que a guerra às drogas, portanto, estaria usando estratégias equivocadas.

Eu me dispus a refletir sobre o assunto, sabendo que corro o risco de, do mesmo modo que a informação descontextualizada da internet e com objetivos de propaganda, causar efeitos reducionistas e simplificadores.

Na geração atual ou em antecedentes, raro é que alguma família em nosso meio não sofra com problemas mentais, entre eles a dependência química. O discurso de culpa está presente em muitas das famílias de dependentes químicos que atendi. Culpa que sobrepõe à rejeição, mágoas e ressentimentos que o dependente químico provocou ao longo de décadas. As frustrações repetidas tanto em relações familiares quanto na sociedade provocam o pior de nós mesmos, e as reações muitas vezes são de vingança, raiva e crueldade. Há um impasse: ou não conseguimos cuidar e daí somos mal cuidadores, ou a pessoa é má e merece o mau tratamento. Oscilamos entre a culpa e a raiva e desenvolvemos defesas emocionais diante de sofrimento, como a negação.

A situação não é simples. Não dá para equiparar humanos a ratos de laboratório. Embora essas experiências ampliem o entendimento dos mecanismos de ação de drogas, não dá para equiparar humanos a ratos, não somos só pavlovianos. Há que se considerar questões de personalidade e questões psiquiátricas que, juntas, desencadeiam, se somam ou pioram o quadro. Há fóbicos e deprimidos que desenvolvem dependência do álcool. Assim como indivíduos com transtornos de personalidade antissocial podem desenvolver múltiplas dependências. São tantas as variáveis que não se pode restringir a questões sociais mesmo que elas sejam sim importantes fatores que agravam tais condições. A solidão pode ser causa, mas também consequência da dependência química.

Do ponto de vista mais psicodinâmico, mesmo na dependência do cigarro vemos uma condição emocional de regressão, baixa tolerância a frustração, dependência e passividade (ainda que travestidas de hiperatividade). Débil vitalidade, histórias pessoais com retalhos de vivências de perda parcamente elaboradas e um escasso sentido de individualidade estão entre as configurações emocionais que comumente encontramos nos dependentes químicos.

Os casos mais benignos respondem positivamente – como na experiência do ratinho da gaiola –, quando expostos a uma maior diversidade de opções e atividades. Ou como os soldados que voltam da guerra e saem do medo e privações para uma estrutura social mais segura e confiável.

Mas a maioria das pessoas continua em sua guerra implacável, em que não há vencedores. E se restringem a comportamentos de adição de drogas que se tornam irracionais e limitadores, como o rato da gaiola vazia. Seu mundo assim se torna, vazio, nada existe, mesmo que a família, amigos e profissionais de saúde ainda estejam por perto.

Somos seres despreparados para a vida emocional, quando esta requer recursos ainda não desenvolvidos. Usamos drogas. E somos também seres despreparados para cuidar dos que estão sofrendo e adoecendo. Teremos que continuar buscando o grito (chasing the scream), ouvi-lo entendê-lo, traduzi-lo e talvez continuar colhendo mais perguntas do que respostas.

*Adriana Rotelli Resende Rapeli é psiquiatra, psicanalista pela SBPSP e SBPRJ.

Psicanálise e Direito: Uma Parceria Natural

Já discutimos por aqui, em diferentes contextos, a interface da psicanálise com algumas disciplinas como a educação, a sociologia, a arte, a biologia e a psiquiatria. No artigo que segue abaixo, o analista didata e ex-presidente da SBPSP, Plinio Montagna, reflete sobre o diálogo entre a psicanálise e o direito, dois campos aparentemente distantes mas que se interligam bem mais do que inicialmente imaginamos. Vale a leitura!

Psicanálise e Direito: Uma Parceria Natural 

Por Plinio Montagna*

Das múltiplas interdisciplinaridades da órbita da psicanálise, aquela com o Direito se apresenta como das mais naturais e férteis, seja na esfera conceitua, seja nas produtivas práticas conjuntas possíveis.

Historicamente dá-se que, antes da Medicina, Freud tinha em mente estudar Direito. Dentre outras razões, conta-nos Jones, ele achava que assim poderia impactar a sociedade de sua época. Posteriormente, seu interesse por Darwin, questões humanas e aulas de Filosofia com Carl Bruhle teriam-no influenciado a voltar-se ao campo médico.

Ainda que não tenha se dedicado com maior especificidade à interação entre os campos psicanalítico e legal, há que se notar que é intrínseca ao domínio da Lei a instituição interna que Freud vê e consagra como aquela que atua sobre nossas experiências de amor e ódio, linguagem, cultura, desejo e transgressão.

Para alguns, quando utiliza termos como conflito, defesa, necessidade de punição e institui o superego qual um tribunal interno, ele estaria utilizando um linguajar jurídico procedimentalista.

Foi no trabalho de 1906, “Psicanálise e o Estabelecimento dos Fatos nos Procedimentos Legais”, que Freud arrisca, ainda que sem sucesso, uma sugestão para a utilização de recursos psicanalíticos ao método jurídico.

Aí ele introduz a Psicanálise como novo método a assistir procedimentos legais por meio das associações livres de idéias. Compara o histérico ao criminoso. Ambos tem algo a esconder, o primeiro de si mesmo e o segundo dos outros. As tarefas do terapeuta e do magistrado têm em comum alcançar a revelação do material psíquico oculto, escondido, ainda que o neurótico ajude o terapeuta a encontrar a verdade e o criminoso a boicote. Sugeria que os agentes legais experimentassem o método e após alguns anos de uso julgassem sua validade para si.

Jamais retornou ao tema em sua obra, mas a fertilização interdisciplinar ocorreu, fruto de seus artigos de inserção na cultura, capitaneados por “Totem e Tabu”.

A primeira lei do Direito de Família é tida por alguns como a proibição do incesto. Para Levi Strauss, essa é uma lei ao mesmo tempo natural, por existir em todas as sociedades, e cultural, por se estruturar diferentemente em cada uma delas. Inscreve-se na transição entre natureza e cultura. Do ponto de vista do indivíduo, a repressão instala a origem da lei.

Por seu turno, o importante jurista austríaco Hans Kelsen, que formulou a “Teoria Geral da Norma”, frequentou por um tempo as reuniões das quartas-feiras de Viena, tendo escrito “A noção de Estado e a Psicologia das Massas de Freud”. Ele buscava uma “norma fundamental”, descolada do conceito de justiça.

Quando se vai abstraindo historicamente em direção àquela que seria a primeira lei, iremos nos aproximar, inevitavelmente, da ficção – ou do mito – e aí reencontraremos “Totem e Tabu”.

Há obstáculos a serem transpostos: a Psicanálise busca a radical singularidade de cada um e o Direito é radicado na objetividade. Mas, como dizia Ortega e Gasset , “eu sou eu e minhas circunstâncias”. Por outro lado, negarmos a ação da subjetividade empobrece qualquer interpretação jurídica. É na relação dialética entre as disciplinas que vamos navegar, se as quisermos fertilizar. É no contato com o outro que plasmamos e reafirmamos nossa identidade.

Judicialização e psicologização da sociedade contemporânea , coexistindo e contrapondo-se entre si, requerem reflexões e práticas em comum. Reflexões conceituais, por exemplo, consideradas as respectivas metodologias , estratégias e hermetismos “idiomáticos”.

Na área de Direito de Família, litígios disfuncionais e divórcios, guarda de filhos, adoção, além das questões ímpares resultantes de novas configurações familiares e biotecnologia de reprodução assistidas requerem estudos e práticas conjuntas. No campo da avaliação de capacidade civil, psiquiatria e psicologia forense agradecem nossos insights. O Direito Criminal é área vasta para a psicanálise contribuir. Direitos da Personalidade são outro exemplo de influência da Psicanálise.

Ética nas práticas psicanalítica e institucional também faz parte da interdisciplina.

Com essas considerações e perspectivas se criou, na IPA, em 2014, o Comitê de Psicanálise e Lei, aberto ao diálogo e a intercâmbios com toda a comunidade psicanalítica internacional. Com essa perspectiva planejamos inclusive uma Jornada na Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, provavelmente em junho de 2016.

Vale notar que a SBPSP tem sido, dentre as diversas Sociedades componentes da IPA, instituição pioneira nessa interface, tendo albergado discussões e encontros de relevância incontestável, nos últimos anos.

*Plinio Montagna é analista didata e ex-presidente da SBPSP. Atualmente é Chair do “Committee of Psychoanalysis and Law”, da IPA.