fake news

Notas sobre Fanatismo e Mentira

*Roosevelt  Cassorla

O mentiroso tem que saber a verdade para poder deformá-la. Portanto, sua capacidade de pensar é considerável. A mulher de Putifar, quando acusa José – personagem bíblico – de violentá-la, sabe que sua mentira é fruto do ressentimento por ter sido rejeitada sexualmente. Defrontamo-nos com aspectos perversos, diferentes dos ingênuos e psicóticos, em que erros de percepção redundam em falsidades. O ingênuo acredita que o Sol gira em torno da Terra. O psicótico afirma que está sendo perseguido. Ambos não estão mentindo, ao contrário da mulher de Putifar. O aspecto perverso pode confundir o analista quando o paciente se coloca como no paradoxo de Eumênides: “Um homem diz que é mentiroso. Isso é verdade ou mentira?”.

A perversão pode ramificar-se em mentira narcísica – aquela cuja função é apenas proteger-se da alteridade – e mentira com perversidade, aquela que também visa  atacar, difamar, caluniar e maltratar o outro.  Uma criança pode mentir por vergonha ou para evitar ser punida. Um criminoso mente para roubar ou matar alguém. Um invejoso mentirá para prejudicar o outro. A primeira é mentira narcísica.  As últimas, como as da mulher de Putifar, envolvem perversidade.

O fanático está absolutamente certo que suas ideias estão corretas. Seu trabalho é “salvar” os que não acreditam na “verdade”. Aqueles que não se deixam “salvar” serão considerados inimigos. O fanático raramente mente. No entanto acredita em qualquer mentira que reforce sua crença. A parte fanática de todos nós é alvo fácil de “fake news”.

O termo “fanático’ vem do latim “fanus”, templo ou santuário. O fanático era o vigilante ou porteiro, que velava cuidadosamente pelo templo e, por extensão, pela crença. Ao contrário da maioria dos romanos que veneravam vários deuses, o fanático se dedicava, com fervor e exaltação, a apenas uma crença. Sua crença é a única verdadeira. Os não crentes serão combatidos e, se não vencidos, serão eliminados – até fisicamente – a solução “final”.

Em tempos mundiais de “nós contra eles”, o lado fanático de todos nós é facilmente estimulado. A mentira acompanhará a crença falsa quando necessário. Os judeus são exploradores, os negros e as mulheres inferiores, os homossexuais anormais indecentes, os islâmicos terroristas, os favelados são traficantes. Estas são as falsidades e mentiras predominantes em nosso tempo. O leitor conhece inúmeras situações de seu entorno.

Como vimos, as configurações apresentadas atacam a alteridade. O outro não é considerado como sujeito, mas como objeto de desprezo, de manipulação e ataque. O contato com a alteridade é traumático e, por isso, o outro tem que ser eliminado. O tratamento psicanalítico – quando viável – entrará em contato com áreas altamente traumatizadas, vazios apavorantes, compensados por certezas e terrorismo excitantes.

O escritor Amos Oz nos conta de um motorista de táxi judeu cuja solução para o problema com os árabes era “matar todos eles”. Ao final de um diálogo, fingindo concordar, o interlocutor indaga: “Agora imagine que você entrou em uma casa e matou todos os árabes. Você se afasta e ouve o choro de um bebê, dentro da casa”. O motorista retruca, impactado: “O sr. é muito cruel !”. Este motorista não era, na realidade um fanático. Ao entrar em contato com a realidade, com a alteridade, pôde rever-se.

Atualmente os fanáticos de “direita” querem eliminar os de “esquerda” e vice-versa, não somente no Brasil. Não existe o desejo de colocar-se empaticamente no lugar do outro para abrir as possibilidades de diálogo. Como cidadãos e psicanalistas, temos que descobrir como fazer isso com nossos vizinhos, colegas, amigos e adversários. E com nós mesmos.

A denegação do fanatismo e da mentira pode conduzir-nos às situações tão bem descritas no poema de Niemöller (muitas vezes atribuído a Maiakovsky): “Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei. No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar”

 

Roosevelt Cassorla é membro efetivo e analista didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e do Grupo de Estudos Psicanalíticos de Campinas. Professor Titular da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp. Sigourney Award 2017.