diretoria de Comunidade e Cultura

Arte e mal-estar na civilização

A SBPSP promove no sábado, 22 de setembro, às 11h, o encontro “Arte e Mal-Estar na Civilização”. O evento, coordenado por Cristina Secaf Rebello, contará com as apresentações “Psicanálise e o Espírito dos Tempos”, do psicanalista Leopold Nosek, e “A Crítica da Visão Como Sentido Dominante”, do professor doutor do departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da FAU/USP, Agnaldo Farias. Confira o texto de apresentação do encontro. As inscrições devem ser feitas pelo link: https://bit.ly/2NRLUBC

 

A coerção das pulsões – exigência necessária para o desenvolvimento civilizatório, cultural e tecnológico – produz, segundo Freud, um constante e crescente mal-estar ao impedir o prazer e a felicidade. As forças destrutivas, assim como os desejos sexuais vividos sem limitações, devem sofrer desvios como possibilidade de expressão e descarga.

A Arte, que Freud entendia ser, junto à Ciência, a mais nobre produção do homem, adviria da sublimação das pulsões agressivas e sexuais. Na arte, Eros e Thanatos teriam expressão e aceitação. Através do trabalho do artista torna-se possível para nós, “homens comuns”, viver as próprias paixões em toda a sua intensidade e estranheza.

A arte seria então a possível libertação das forças instintuais, maneira de ser e fazer o novo, forma de, ao mesmo tempo e paradoxalmente, eludir e evidenciar o incontornável mal-estar na cultura.

 

Diretoria de Cultura e Comunidade