A vida como ela é: Ser psicanalista hoje

Talya S. Candi

Por que perseverar no nosso impossível ofício de psicanalista?   E mais ainda, o que significa ser psicanalista hoje, no final da segunda década do século XXI?

Somos forçados a aceitar que hoje em dia a denominação de psicanalista não parece mais significar grande coisa. Esta denominação recobre um grupo de professionais profundamente variado e diferente tanto nos critérios de seleção e de habilitação, quanto na própria atuação e na formação teórica, cujo arcabouço conceitual acabou se transformando ao longo dos anos num corpo heterógeno atravessado por oposição por vezes fundamentais e irreconciliáveis. Consequentemente surge a interrogação: o que é ser psicanalista hoje?

Passada a grande febre do final do século XX, a psicanálise se estende hoje nos mais diversos centros de estudos, universidades e grandes centros hospitalares, permitindo que os estudantes interessados na ciência do inconsciente possam ter uma capacitação.  Esta fragmentação do campo tem sido em parte nefasta, mas também, acredito eu, necessária, pois permitiu uma ampla desidealização do fazer psicanalítico. O psicanalista de hoje é um professional como tanto outros que precisa estar inserido na sociedade de mercado e mostrar que seu saber é de valia tanto no campo do conhecimento científico como da terapêutica. No caso contrário, ficaríamos isolados esperando pacientes ideais, que fariam análises ideais e obteriam resultados ideias para não dizer idealizados.

Inspirada pelo psicanalista André Green, tenho me dedicado a pesquisar e trabalhar com os casos limites, casos que hoje prefiro denominar de não-neuróticos, porque desafiam o enquadre clássico (criado para tratar das neuroses) e se encontram nos limites da possibilidade de analisabilidade.  Trata-se de pacientes que parecem ter uma relação de extrema ambivalência com o psicanalista e a psicanálise. Eles experimentam por um lado, a análise como se ela fosse tão necessária quanto o ar que respiram, mas, por outro lado, acreditam (e insistem em dizer em voz alta)  que a psicanálise não pode fazer nada para aliviar o seu sofrimento. Assim vivem um impasse transferencial provocado por um negativismo feroz pelo qual se recusam tanto a largar quanto a melhorar e que, acreditamos, repete uma vivência de fracasso fundamental.

Um paciente que hoje perdi de vista, me perguntava frequentemente por que queria que ele fizesse análise?    A análise que ele foi fazendo contra a sua vontade o ajudou a recuperar sua vitalidade questionadora e me levou a repensar acerca do meu desejo de ser psicanalista.

Numa conferência já antiga que tive a oportunidade de escutar em Paris, Daniel Widlocher diz que o desejo do psicanalista se concentra em três áreas: o desejo de curar, o desejo de conhecer, e o desejo ligado à apreensão do humano. Os pacientes limites desafiam nosso desejo de curar, mas nos permitem conhecer e talvez compreender a complexidade dos dilemas e dos conflitos que nos tornam humanos.

Eles nos forçam a inserir conflitos lá onde frequentemente existem somente atos impensados que escapam a qualquer coisa que poderíamos chamar de humano.  Conflitos que hoje em dia se mostram cada vez mais ligados a impulsos destrutivos indomáveis, que aniquilam a essência do humano e apontam para lados obscuros e perversos da nossa humanidade que qualificaríamos de inumano. Como inserir humanidade lá onde vemos somente arrogância, destrutividade, violência e negação da alteridade? Em 2005, André Green[1]  escreve  um curto texto intitulado ‘’A humanidade do inumano‘’ à guisa de prefácio para o livro de Claude Balier: “A violência em abismo: ensaio de psico-criminologia”.  Uma das facetas do inumano, diz André Green, consiste na capacidade de anular qualquer questionamento e curiosidade, exterminando o sentido da vida,  transformando  qualquer  outro e o próprio Eu, em  “nada”  em “ninguém”,  como se qualquer tentativa de dar nome e significado  ao mundo no qual vivemos fosse violentamente exterminado.” O mal, o inumano é sem porque, diz ele, ele escapa a qualquer compreensão ao não ser se erguer enquanto mal, ele é uma força bruta que visa na sua essência a destruir o sentido e os porquês, os quando e os quem.”  (Green 1988, pg 370).

Acredito que o psicanalista de hoje deve poder estar preparado para ser confrontado com os aspectos mais obscuros e inumanos de nossa humanidade, que visam a aniquilar o sentido e o interesse da própria vida.

Como explicar a proliferação das patologias limites?  Existem vários modelos para explicar a origem das patologias não-neuróticas. A  grosso modo, podemos destacar dois modelos: O modelo do “conflito psíquico”  que remonta à teorização de Melanie Klein e de Kernberg, que vai enfatizar o papel da agressividade, da inveja inata e do conflito psíquico (entre a parte da personalidade  dominada pela posição esquizo-paranóide  que não suporta reconhecer a alteridade do outro e a posição depressiva que aceita a alteridade) e o modelo do déficit  que, a partir de Ferenczi e de Winnciott, destaca  a falta de sintonia do ambiente às necessidades primarias do bebê.

Este último modelo, enfatiza as dificuldades do self de se autorregular e atingir um nível de coesão de organização interna estável quando o ambiente externo não proporciona um suporte suficientemente bom, confiável e continente. Ao longo do tempo estes modelos têm levados a pontos de vista divergentes na ação terapêutica.  O modelo do conflito, coloca a ênfase na estabilidade do setting (que assegura que a análise possa sobreviver à ambivalência e agressividade do paciente) e na interpretação do conflito psíquico, possibilitando assim confrontar o paciente com a sua própria destrutividade.

O modelo do déficit, por sua vez, ressalta a necessidade de proporcionar continência e holding para possibilitar que as áreas que permaneceram indisponíveis para representação possam ser consolidadas. Esta parte do trabalho consiste em criar a tessitura de uma tela branca psíquica   que sirva de pano de fundo para que a história do paciente possa ser desenhada e inscrita.

Entre as múltiplas dificuldades que o analista deve enfrentar para levar a cabo este trabalho, destacamos a intensa quota de destrutividade que os pacientes não-neuróticos trazem e ativam na relação com o analista. Seja ela determinada por uma questão constitucional ou por uma falha dos objetos primários, a continência da agressividade constitui um nó técnico inevitável e um teste difícil.

Bion, Melanie Klein, Winnicott, Searles, Green, Pontalis  entre  muitos outros parecem ter percebido o tamanho do problema que significava para  um analista  engajar-se na análise de tais pacientes: O analista precisa num primeiro momento se implicar, ser utilizado pelas suas carências, se deixar vampirizar pelo paciente, sobreviver,  imaginar as coisas mais improváveis, as mais loucas e irracionais, aceitar errar e sentir-se completamente impotente, ser pisoteado no seu narcisismo e, finalmente, se precisar, saber desistir e aceitar recuar e…. mesmo assim continuar firme com a psicanálise.

Baita de uma tarefa!!

Para se engajar num tal desafio, o analista de hoje precisa mais do nunca estar profundamente familiarizado com seus próprias conflitos e dores, enfim, com sua vida psíquica e “sua loucura pessoal “(Green). Estes pacientes que nos desafiam com um funcionamento psíquico à beira da loucura, exigem que tenhamos  como instrumento  uma imaginação clínica para  intuir e apreender os conflitos  e não nos deixar levar pela manipulações, uma agilidade mental para não  enlouquecer com o sofrimento e,  uma firmeza  e serenidade  interna para  não desistir.

O método analítico, a associação livre e o enquadre são nosso porto seguro nesta árdua tarefa… Claro que eles serão inevitavelmente perdidos no decorrer do caminho, mas eles devem sempre nortear nossa caminhada. Cabe aqui alertar os analistas contra manipulações transferenciais que poderiam levar a situação perigosas de atuação e desfechos catastróficos.

Compreendemos que face a estas situações limites paradoxais (Roussillon) que questionam os limites da própria razão de ser da psicanálise, cabe recorrer à “loucura pessoal”(Green)  do analista que ao entrar  em ressonância com a  vida emocional do paciente, responde com flexibilidade e  rigor, a partir do espirito analítico,  inserindo sentido.

Diremos finalmente que a história da psicanálise nos ensinou que o único que garante a situação analítica é o próprio analista, a sua pessoa e a sua ética.  Neste sentido, não temos como não insistir na necessidade de uma formação sólida e de uma análise pessoal longa que formaram os pilares do ser psicanalista no passado e que permanecem, todavia mais indispensável hoje e   provavelmente amanhã.

Ser psicanalista hoje exige uma formação dupla.  Por um lado, estar atento, como no passado, a sutis manifestações do inconsciente e quando as circunstâncias o exigem, com pacientes não-neuróticos, poder acolher modos de pensamento paradoxais ou, por vezes, modos de pensamentos inexistentes   e inventar respostas apropriadas que possam abrir caminhos nunca antes imaginados.

[1] André Green, « Préface. L’humanité de l’inhumain », in Claude Balier, La violence en Abyme, Presses Universitaires de France « Le fil rouge », 2005 (), p. XI-XVII.

Talya S. Candi, Membro associado da SBPSP, filiada à International Psychoanalytic association, doutora pela PUC-SP, autora de varios artigos em revistas cientificas e do livro; O duplo Limite: o aparelho psiquico de André Green, ed Escuta e organizadora de “Dialogos psicanaliticos contemporaneos” publicado  tambem pela ed. Escuta. Talyasc@uol.com.br

 

5 comentários

  1. Penso que também é fundamental o analista de hoje, fazer sua reanálise. Conforme diz Antônio M. de Rezende. em seu livro ‘Bion e o futuro da psicanálise’ …” O analista virtuoso e bem- dotado sente uma necessidade de reanálise. Se não sentir, acaba se tornando inseguro no sentido forte da palavra. Ele está confiante demais em si mesmo, sabe demais, está protegido demais.” Bion fala que muitas vezes chamamos de análise coisas que não são. E o que é ser psicanalista? É ser verdadeiro e humilde, isto é, estar identificado com a realidade Última, …ou seja, trata-se de uma verdade original que não pode ser conhecida. Ser verdadeiro é um dever ético. “…tal como o corpo necessita de alimentos e oxigênio, também o psiquismo se alimenta e cresce com a verdade e que, sem essas, cai em estado de inanição e pode ficar corroído pelo veneno das mentiras…(David Zirmeman–Bion teoria e técnica)

    Curtir

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s