Notas sobre Religião, Psicanálise e Vulnerabilidade

Cássia Barreto Bruno

Fala-se, hoje em dia, sobre o retorno das religiões. A Jihad, os escândalos da Igreja de Roma e a prisão de lider religioso no Brasil trazem à tona o debate sobre qual é o lugar da fé laica e da religião no século XXI. Ao levar em conta a complexidade do tema, a psicanálise pode dar alguma contribuição em sintonia com   antropólogos, teólogos e filósofos que trabalham nessa área. (Levi-Strauss, Viveiros, Derrida, para falar de autores recentes).

Na psicanálise, nós poderíamos pensar, por exemplo, em qual lugar da mente se situa esse fascínio pelo sagrado e pelo desconhecido? Podemos dizer que estaria no inconsciente profundo, segundo o modelo freudiano? Podemos ter acesso aos riscos que corremos quando falamos de áreas inconscientes e indizíveis? Serão mesmo inacessíveis? Qual seria o caminho de acessibilidade?

Lancemos alguma luz sobre essa questão. O fato de o inconsciente ser de difícil acesso e o fato de ser o reservatórios das paixões e dos sentimentos que nos assolam e sobre os quais não temos controle, nos deixa intrigados, assustados, mas, acima de tudo, vulneráveis à manipulação.

Nessa área profunda da mente, aquém da palavra, somos frágeis e vulneráveis, tanto no aspecto mais amplo da vida social, expostos à vida Politica, no sentido amplo da palavra, caso das religiões e do Estado, quanto na intimidade da família e do casal.

Após os avanços da teoria psicanalítica, sabemos hoje que, em relação às fantasias e afetos inconscientes, podemos desenvolver uma sensibilidade para esse campo de sentimentos desconhecidos. É possível apurar nossa intuição e ter acesso consciente sobre muitos dos sentimentos que não notamos no corre-corre do cotidiano. Ao se tornarem conscientes, podemos administrá-los de um modo mais racional e proveitoso, digamos assim.

Como desenvolver essa sensibilidade para o desconhecido? Após os estudos de Francis Tustin com autistas, sabemos da importância dos órgãos dos sentidos para a acessibilidade à mente mais primeva.

Se dirigirmos nossa atenção para os indícios que se nos apresentam diariamente e que ficam perdidos no corre-corre do cotidiano, qual seja um gesto, um olhar, um cheiro, uma sensação, podemos dar crédito às nossa intuições. Intuições baseadas em dados de realidade, em observação de nuances e detalhes, tal como Sherlock Holmes fazia ao ter fé e acreditar no que observava.

Nossos órgãos dos sentidos, sob império do olhar, estão subutilizados. Não sabemos qual é o cheiro da raiva, qual é a temperatura do amor, qual o significado desse retorcer de boca, dessa gargalhada fora de hora, desse leve toque de braço.

Assim, urge que fiquemos atentos para estas área da mente e tentemos sentí-las, intuí-las, percebê-las.

Precisamos estar alertas para nos defender de situações que, por estarem em áreas profundas da mente, que é o território do sagrado, do mito, da arte, do inconsciente, do não dito, das sombras, essas áreas, tanto podem abrigar nossas maiores felicidades, quanto nossos maiores sofrimentos.

No mundo atual, a Jihad, o poder das religiões e o abuso dentro das famílias é a violência mais terrível porque é praticada contra a fé e a crença, contra a situação de entrega do mais profundo do ser humano. Justamente quando o ser humano se assume como demasiadamente humano, com suas mais profundas maravilhas e fraquezas, dores e felicidades, justamente nesse momento a pessoa é roubada do que lhe é mais caro, que é sua verdade e seu compromisso consigo própria.

Ou fugimos dessa área profunda do sagrado e nos tornamos racionais qual robô, ou nos deixamos envolver por esses sentimentos brutos, primitivos, maravilhosos, sagrados e aprendemos a administrá-los. Ou fugimos ou corajosamente enfrentamos nosso humano. O que será do mundo sem a poesia, sem a arte, sem o sagrado, sem o amor? Sem o mistério?

Convido-os a ouvir a Quarta Sinfonia de Mahler.

Cássia A.N.Barreto Bruno é psicanalista. Membro Efetivo da SBPSP, Analista Didata,Training Analist da International Psycholoanalytic Association, Docente do Instituto de Psicanálise da SBPSP.

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s