Entre a Psicanálise e a Medicina

Suzana Grunspun

Como a Psicanálise e a Medicina podem contribuir para a compreensão e aprofundamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade na infância?  Este Transtorno, tão habitual nos tempos atuais, é um diagnóstico formulado por médicos que estabelecem que os acometidos apresentam alterações de atenção e/ou do impulso. Segundo Saul Cypel (p.23-30; 73-74), neurologista infantil, o TDAH   ocorre em consequência de múltiplos fatores que precisam de um esclarecimento para se ter uma opção de tratamento. Sua incidência é muito alta: o transtorno atinge de 8% a 10% das crianças e é mais frequente em meninos. É muito intricado se falar de causas do TDAH. Aspectos genéticos e hereditários são correlacionados às disfunções neurobiológicas. Questões emocionais, ambientais e culturais também estão vinculadas ao TDAH.

 

O psicanalista procura entender o grau de sofrimento de cada paciente individualmente, e investiga o seu funcionamento mental. A falta de atenção compromete a capacidade da criança de manter-se concentrada em uma atividade; a impulsividade e/ou hiperatividade expressa-se por reações impensadas, bruscas e imotivadas. Estes sintomas são correlacionados com a baixa tolerância à frustração e a dificuldade em saber esperar – aspectos importantes para o olhar do psicanalista, pois a criança ainda não desenvolveu a capacidade de se conter.

 

É importante conhecer como o paciente em análise experimenta sua desadaptação ao ambiente escolar ou com seus familiares. Estas crianças, muitas vezes, sentem-se confusas entre o que é seu problema e a sobrecarga proveniente do seu mundo exterior. Dentro desta perspectiva, citamos Winnicott (1962,p.51-54), um pediatra inglês que também era psicanalista. Ele propôs uma teoria para se compreender o desenvolvimento da criança a partir da unidade mãe/bebê, salientando que esta dupla interage com uma dinâmica particular desde o nascimento. No TDAH, a questão do ambiente pode ser estudada a partir deste ponto de vista. Assim, se terá uma visão ampliada dos sintomas – que podem ser exclusivos, associados ou decorrentes das relações precoces que se estabeleceram no começo da vida. Tanto a impulsividade como as dificuldades de atenção e foco poderão se instalar nesta fase, sem necessariamente ter um fator neurobiológico que justifique o TDAH. Os sintomas entendidos pela psicanálise refletem conflitos internos ligados às dificuldades vivenciadas pelos acometido pelo TDAH.

 

Nesses casos, é importante que o analista conheça os correlatos biológicos do transtorno para entender o uso de medicamentos. Existem critérios precisos de indicação para crianças com alteração de comportamento intensa e persistente, mesmo depois da abordagem analítica, da orientação dos pais e do contato com a escola. Não se pode esquecer dos riscos que a criança muito agitada corre com seu comportamento – como as graves questões de ameaça de integridade física. É importante lembrar que cada criança deve ser avaliada individualmente.

 

O efeito da medicação tem como mecanismo de ação favorecer uma concentração de neurotransmissores catecolaminérgicos, seja por aumento de sua liberação local ou redução em sua metabolização.

 

Os sintomas que atualmente aparecem na clínica infantil estão correlacionados com mudanças paradigmáticas do mundo atual. Imersas em um mundo veloz, a exigência é que todas as crianças correspondam às expectativas contemporâneas. Nos vemos diante das seguintes perguntas: quando existe uma dificuldade real para alguma criança? E em que momento esta dificuldade é considerada uma não-correspondência das expectativas socioculturais a serem cumpridas? Nós, psicanalistas, temos que ponderar e refletir para mantermos nosso discernimento.

Bibliografia

Cypel, S. – Déficit de Atenção e Hiperatividade e as Funções. Executivas. São Paulo; Lemos Editorial ,2007.

Winnicott W D (1962) –Provisão para a criança na saúde e na crise.  In: O Ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre; Ed. Artes Médicas , 1990,p62-69

 

Suzana Grunspun é médica e psiquiatra, formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com residência médica no Hospital do Servidor Público Estadual Francisco Morato. Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP), é analista de criança e adolescente pela International Psychoanalytical Association (IPA) e docente do Instituto Durval Marcondes da SBPSP. Foi secretária do curso de Psicanálise de Crianças e Adolescentes no biênio 2015/2016.

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s