Mês: março 2016

O incesto e o abuso sexual

Por Claudio Castelo Filho *

Trabalho como psicanalista em meu próprio consultório há 32 anos. E já há algum tempo fui convidado pelo ilustre colega e amigo, grande pioneiro neste campo, o professor doutor Claudio Cohen, a colaborar, como supervisor convidado, com o Centro de Estudos e Atendimento Relativo ao Abuso Sexual (CEARAS) do Instituto Oscar Freire na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. É onde acontece um extenso trabalho de pesquisa e psicoterapia com famílias incestuosas (pais com filhas/filhos, irmãos entre eles, mãe/filhos/filhas, avós/netas/netos, padrastos/madrastas/enteados, tios etc.), que revela o quanto a situação é ampla na sociedade, das classes mais baixas às mais privilegiadas. No trabalho feito com famílias encaminhadas por fóruns de justiça e que estão, portanto, sendo acompanhadas juridicamente, tratamos do grupo (família), que percebemos como “um indivíduo”, assim como no consultório analítico também podemos entender que uma pessoa é um “grupo de entidades”. Neste trabalho do CEARAS, em que a dimensão psíquica da situação é a prioridade, não é possível, por exemplo, haver uma “discriminação simplificada” entre vítima e algoz, pois o que se verifica é uma questão dinâmica de todo o grupo, em que a capacidade para pensar e simbolizar em geral é muito precária (o que não implica obviamente na desresponsabilização dos adultos envolvidos). O trabalho é focado na captação dessa problemática, na sua exposição e possível conscientização, para que se possa desenvolver alguma possibilidade de ela ser pensada e elaborada, visto que admoestações morais e repressão policial podem ser muito úteis e importantes para o grupo manter sua organização social, mas insuficientes e quase sempre inúteis para uma efetiva realização por parte da família e de seus membros do significado psíquico desse tipo de atuação.

Freud, Klein e Bion perceberam o aspecto fundamental da existência do tabu sobre o incesto, intrinsecamente associado ao desenvolvimento da capacidade para reconhecer e lidar com frustração, o que implica no crescimento da capacidade para pensar dos seres humanos, algo essencial no processo civilizatório. Sem isso, em pouco ou nada nos diferenciamos dos outros mamíferos superiores ou das feras selvagens, que permanecem sempre potenciais dentro de nós. Não obstante, o que se verifica é que essa capacidade civilizatória e para pensar é muito mais incipientemente desenvolvida do que se costuma acreditar. O que se observa, na prática, é que os aspectos mais primevos encontram pouco equipamento mental para elaborá-los e o incesto e o abuso sexual (além de toda a violência que observamos no cotidiano, o que não é novidade na história de nossa espécie) são muito mais comuns do que o tabu que os envolve leva a crer.

* Psicólogo formado pela Universidade de São Paulo e mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP, Claudio Castelo Filho é membro efetivo e analista didata da SBPSP, doutor em Psicologia Social e professor livre docente em Psicologia Clínica pela USP. Castelo Filho é autor do de “O Processo Criativo: Transformação e Ruptura” (Ed. Blucher, 2015) e produziu este texto como parte da apresentação que fará na “I Jornada Sobre Abuso Sexual – Consequências para a subjetividade – Prevenção”, que a SBPSP realiza nos dias 1 e 2 de abril de 2016.

Intersubjetividade, alteridade e terceiridade: por uma teoria psicanalítica viva para lidar com desafios da nossa época

Por Talya S. Candi*

Os múltiplos desafios da clínica na atualidade exigem que o psicanalista se debruce sobre os aspectos intersubjetivos da experiência analítica. Isto implica poder criar e construir junto com o paciente um dispositivo e uma linguagem feitos sob medida para permitir o desenvolvimento de uma relação baseada na confiança e na sinceridade. A descoberta da contratransferência inaugurou uma nova visão sobre o processo analítico, que não transcorre apenas do lado do paciente, mas também do lado do analista. A.Green (1975) nos sugere pensar a situação analítica a partir de uma concepção global da contratransferência que inclui diferentes aspectos de seu funcionamento mental desenvolvidos em suas experiências pessoais de análise e formação, em seu diálogo com teorias e colegas e sobretudo no contato com seus pacientes. A subjetividade do analista, seu corpo, suas crenças, pensamentos e história de vida estão implicados no processo analítico e devem ser cuidadosamente monitorados pois podem não só estabelecer conluios inconscientes com o analista, mas também e sobretudo se constituir numa das fontes mais valiosas para a elaboração da interpretação. Os conluios devem ser vistos como “nós interativos” que podem paralisar a imaginação e o pensamento criativo do analista e imobilizar o processo analítico. A analista inglesa Betty Joseph estudou em detalhes este tipo de conluio.

Não é possível, no entanto, que haja um verdadeiro processo de análise se o analista não se dedica a processos de identificação com o paciente, concordantes ou complementares, e se não tolera também momentos de indiscriminação e fusão. Em suas respectivas conceptualizações sobre o terceiro analítico, Green(1975) e Ogden (1994) postulam a ideia de que o objeto analítico é construído por paciente e analista. Para estes autores, os momentos de intensa empatia e ligação intersubjetiva devem se alternar dialeticamente com outros de maior distância e discriminação entre paciente e analista. Este vai-e-vem entre vivências de fusão e outras de discriminação, ligação e desligamento, junção e separação, mobiliza os afetos e as representações que promovem a criação do sentido e a simbolização. O progresso da análise leva ao crescimento da capacidade reflexiva compartilhada, o que permite ao paciente (e também ao analista) uma visão mais objetiva de si mesmo. Neste delicado contexto, a atuação do analista objetiva trabalhar a partir do segundo olhar, visando sempre se apropriar dos pedaços mais estranhos de si mesmo, das alteridades, de dentro e de fora, do inconsciente e dos outros que ameaçam o mundo ideal da plenitude narcísica. Para T. Ogden, a tarefa analítica deve envolver o esforço para ajudar o paciente a se tornar humano em um sentido mais amplo do que ele conseguiu até aquele momento. Ajudar o analisando a se tornar mais plenamente humano implica facilitar as tentativas do paciente de experimentar uma gama mais ampla de pensamentos, sentimentos e sensações percebidos como próprios na sua diferença, e que ele sente terem sido gerados no contexto de suas próprias relações presentes e passadas com outros seres humanos (inclusive com o analista). Neste contexto, a interpretação analítica torna-se o instrumento para expandir os vínculos entre as experiências emocionais significativas e promover novos vínculos que ampliem a rede do sentido e o repertório do que significa se sentir vivo .

*Talya S. Candi é psicanalista, membro da SBP-SP e a coordenadora do evento “Intersubjetividade, Alteridade, Terceiridade: Que conceitos são estes e sua relevância para a Psicanálise Contemporânea”, uma série de conferências e discussões que acontecem no sábado, 12 de março, na sede SBP-SP, a partir das 9h, numa iniciativa Diretoria Científica da SBP-SP.