Pequenos tiranos

Nas férias, o convívio com as crianças é mais intenso. Muitas vezes, não é fácil estabelecer limites, impor restrições e dizer “não”. Mas isso, ao contrário do que muitos pais imaginam, é bem mais importante do que parece, tanto para a educação como para o desenvolvimento emocional da criança. Sobre o tema, vale a leitura do texto abaixo, da psicanalista e membro da SBPSP, Marion Minerbo.

Pequenos tiranos

Por Marion Minerbo*

Todos conhecemos crianças que, desde cedo, já são pequenos tiranos. Quando contrariadas, explodem em crises de birra, deixando os pais perplexos e irritados. Estes tentam colocar limites, castigam, perdem a paciência e acabam batendo de frente, num verdadeiro braço de ferro com os pequenos. Exaustos, acabam se submetendo à tirania. Ou, com medo de perder o amor dos filhos, fazem tudo o que eles querem.

Essas atitudes acabam alimentando um círculo vicioso: a criança vai se tornando cada vez mais insuportável e incontrolável. Os pais, com razão, passam a sentir ódio da criança, que, obviamente, percebe e fica aterrorizada. Já não há prazer numa convivência em que todos sofrem. A criança se torna destrutiva e para de brincar, o que indica comprometimento grave no seu desenvolvimento emocional.

É preciso reconhecer que as detestáveis crises de birra são expressões de ódio – o qual, por sua vez, indica claramente a presença de sofrimento psíquico. Sim, mesmo crianças que, aparentemente, “têm de tudo”, podem estar sofrendo. Percebe-se que a palavra “birra” é péssima, porque nos induz a pensar em algum “defeito de caráter” (a criança é birrenta, mimada, má, tem personalidade forte), eximindo o adulto de se questionar de que forma ele pode estar contribuindo, inconscientemente, para gerar o sofrimento que se expressa através das crises de ódio.

A maior razão para o sofrimento psíquico da criança é a impossibilidade de estabelecer uma comunicação emocional profunda com o adulto significativo. Desde que nasce, a criança envia mensagens indicando necessidades emocionais básicas que precisam ser decodificadas e atendidas. Quando o adulto não decodifica, ou quando, em função de suas próprias questões inconscientes, interpreta a mensagem de maneira equivocada, dará respostas inadequadas a essas necessidades.

Ao receber respostas sistematicamente inadequadas, a criança sofre duas vezes: uma, porque aquela necessidade emocional não foi atendida; duas, porque se sente sozinho e abandonado, mesmo na presença do adulto. Há um pesadelo típico que mostra como a impossibilidade de se comunicar com outro ser humano é desesperadora: tentamos pedir ajuda a alguém que está ali perto, mas nossa voz não sai.

A interpretação suficientemente sintônica da mensagem da criança depende da capacidade de empatia dos pais. É preciso que eles consigam se colocar na pele da criança para tentar imaginar como é o mundo visto por ela. Precisam ser capazes de acessar a criança que eles foram, para traduzir o que ela está tentando lhes comunicar – às vezes de maneira muito torta, quase incompreensível. Infelizmente, ainda não há um google translator para nos ajudar a traduzir língua de criança em língua de adulto, e vice-versa.

*Marion Minerbo é psiquiatra, psicanalista e membro da SBPSP.

1 comentário

  1. Olá. O meu pequeno tirano cresceu e após anos de drogadição ele, com 28 anos de idade está esquizofrênico. Continua tirano comigo, que sou sua cuidadora. Conhece a força que teve e tem para me subornar. O que faço para reequilibrar uma convivência suportável é afastar-me dele uns dez dias e depois retomo os cuidados e medicação dele: e assim estamos sobrevivendo desde 14 de fevereiro de 2013, porque no período de drogas o afastamento era maior. Lendo este artigo revejo toda a trajetória de nós dois, e é interessante que realmente existe “ódio”: é horrível essa palavra e seu conteúdo, todavia é o sentimento mais presente no nosso relacionamento doentio. Preciso que me ajude!
    Como e se ele tem condições de reeducar-se e recuperar-se porque apresenta os defeitos de adicto mentindo, me furtando, me ameaçando, etc. etc. e os sintomas da doença que, ao que parece usa para me transtornar.

    Entendo que ele precisa de uma tratamento para adquirir ou retomar os valores de vida; na clínica psiquiátrica acredito que não é o lugar adequado. Por outro lado, seria comunidade terapêutica para usuário de drogas ou clínica de recuperação o ideal para ele retomar uma convivência mais saudável. Obrigada. Por favor, me retorne.
    Maria.
    SJCampos, 20 de fev. 2015.

    Curtir

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s