Mês: outubro 2014

Paranoia, política e poder

O termo paranoia tem um sentido no nosso dia a dia e outro, mais complexo e preciso, na Psicanálise. Há, na verdade, um modo de funcionamento paranoico, que representa formas de pensar e de agir peculiares e, dependendo do grau, perigosas para o próprio sujeito ou para os que estão ao redor. É sobre isso o texto abaixo, da psicanalista e membro da SBPSP, Marion Minerbo.

Por Marion Minerbo*

Você conhece alguém assim?

Você já deve ter ouvido os termos “noia” e “noiado”, que vêm da palavra paranoia. O sentido que se atribui a eles vai da referência bem-humorada às nossas pequenas loucuras cotidianas (“minhas noias”), até a perda de contato com a realidade produzida pelo uso de drogas (“fulano está noiado”). A paranoia, contudo, tem um sentido preciso para a psicanálise. Embora esteja latente e possa ser ocasionalmente “ativada” em todos nós, é francamente patológica quando se torna uma forma predominante de sentir, pensar e agir.

Quando alguém (homem ou mulher) está funcionando no “modo” paranoico – mas também pode ser um grupo, por exemplo, um partido político – sente que é dono da verdade, bom, justo e perfeito. Pode ser cruel porque não sente empatia pelo outro, que é percebido como inferior, ridículo, fraco e desprezível. É preconceituoso e vingativo: pode perseguir, humilhar e agredir, justificando seus atos com o argumento de que o outro “merece” este tratamento. Não sente culpa.

Para o paranoico, o mundo é bom ou mau, certo ou errado, branco ou preto, porque não tem o “chip” necessário para processar situações emocionalmente complexas do tipo e/e, em vez de ou/ou. Espera e exige que todos concordem com ele, e que provem sua lealdade renunciando às suas próprias necessidades e desejos. Ofende-se com facilidade quando não se sente tratado com o devido respeito. Não tolera críticas. Quem tem uma opinião diferente está contra ele. Defende suas próprias ideias com fanatismo. Quem não se submete representa uma ameaça à sobrevivência de seus projetos e de sua identidade, o que gera ódio e violência.

As pessoas que convivem com o paranoico sentem medo e tendem a se submeter ao seu controle tirânico, mesmo quando a violência é velada. Sofrem porque seus desejos são sistematicamente desqualificados e raramente atendidos. Sentem-se sufocadas e sem espaço para ser e para existir. Ele pode se tornar perigoso porque sofre de uma “doença do poder”: do seu ponto de vista, pode e deve impor sua verdade sobre os outros, e está disposto a absolutamente tudo para conseguir isso. Você conhece alguém assim?

*Marion Minerbo é psicanalista e membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

Pânico, desamparo e psicanálise

Dizem que somente quem já viveu uma crise de pânico sabe como é, dadas as dificuldades de se descrever em palavras o grau de angústia e sofrimento físico envolvidos. No contato com quem sofre do transtorno nós, psicanalistas, procuramos nos aproximar de sua experiência e fazê-lo reconhecer os sintomas e nomear os sentidos que deles advêm. Como isso pode ser feito? Veja abaixo o interessante artigo da psicanalista e membro da SBPSP, Norma Lottemberg Semer, sobre o tema.

Por Norma Lottemberg Semer*

O transtorno do pânico

Descrito pela psiquiatria contemporânea oficialmente desde 1980, quando apareceu no Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (o DSM), o transtorno do pânico é também citado no Código Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (o CID-10), publicado pela Organização Mundial de Saúde.

O transtorno do pânico caracteriza-se por um período de intenso temor ou desconforto no qual quatro dos seguintes sintomas surgem abruptamente: palpitações ou ritmo cardíaco acelerado; sudorese; tremores ou abalos; sensação de falta de ar ou sufocamento; sensação de asfixia; dor ou desconforto torácico; náuseas ou desconforto abdominal; sensação de tontura, instabilidade, vertigem ou desmaio; desrealização (sensação de irrealidade) ou despersonalização (estar distanciado de si mesmo); medo de perder o controle ou enlouquecer; medo de morrer; anestesia ou sensação de formigamento e calafrios ou ondas de calor.

O pânico é uma reação de ansiedade em relação a sensações do próprio corpo. Enquanto nas fobias a pessoa sente ansiedade em relação a um objeto externo, no pânico ela fica ansiosa frente ao que sente em seu próprio corpo. Esta é uma das características centrais do pânico: os perigos vêm de dentro, vêm do próprio corpo, numa sensação de grande angústia.

Os sintomas sugerem que o indivíduo está sob ameaça de algo terrível, do qual precisa fugir, embora não haja perigo concreto aparente.

Em 1895, Freud descreveu a neurose de angústia nos mesmos moldes em que hoje é descrito o transtorno do pânico, com manifestações corporais e ataque de angústia, sem nenhuma representação psíquica, além de um sofrimento intenso. Freud assinala ser possível que o sujeito venha a recorrer “à interpretação que estiver mais à mão” (medo de morrer, loucura, crença no distúrbio de uma função corporal) como uma tentativa de configuração, de uma busca de explicação causal, que poderia reduzir sua angústia.

O transtorno do pânico pode parecer não possuir significado psicológico. Os ataques podem surgir “inesperadamente”, sem desencadeantes ambientais ou intrapsíquicos conhecidos. Por vezes a pessoa fala do pânico como algo totalmente alheio à sua experiência, à sua história, sem qualquer conexão com suas emoções ou com sua história de vida. Expressa-se como se tivesse uma virose ou sido contaminada por algo desconfortável, incômodo, estranho, alheio à sua pessoa.

Para a Psicanálise, entretanto, existe um sofrimento psíquico que precisa ser reconhecido, sobretudo pelo próprio paciente. É importante lembrar que Freud mostrou o desamparo como condição intrínseca do bebê humano ao lado da importância e da necessidade de um outro para que cada um de nós sobreviva e se desenvolva biológica e psiquicamente. Assim, o pânico corresponderia à angústia decorrente da percepção do desamparo e da impossibilidade de tolerar essa condição, algo sempre presente na experiência humana e não restrito aos tempos atuais.

Para o psicanalista, a tarefa seria levar o paciente a se envolver no seu sofrimento, a desenvolver interesse e curiosidade com o que acontece a si próprio, para que possa encontrar um significado nos seus sintomas.
Em geral os pacientes apresentam dificuldades frente à ameaça de perda de vínculos, intolerância às frustrações, dificuldade de pensar e conter seus estados emocionais, ao lado de fragilidade no senso de identidade pessoal e aspectos ligados à dependência.

O trabalho psicanalítico é uma experiência que pode auxiliar o desenvolvimento psíquico, expandir o mundo interno com maior participação de fantasias e de sentimentos. Assim, é possível que, ao longo do tempo, o paciente encontre outras formas de expressar e de lidar com seu sofrimento.

O objetivo do psicanalista é, então, despertar o interesse do paciente para seu próprio funcionamento psíquico, a partir de um encontro vivo entre duas pessoas que se comunicam. Por meio do acolhimento que ocorre nesta relação, espera-se que o paciente possa estabelecer vínculos mais consistentes consigo mesmo e com a vida.

*Norma Lottenberg Semer é psicanalista, membro associado da SBPSP, doutora em Saúde Mental e professora afiliada na UNIFESP.

PSICOSSOMÁTICA PSICANALÍTICA EM DEBATE

No dia 31 de outubro, a Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo promoverá a 1ª Jornada de Psicossomática Psicanalítica. O encontro tem como objetivo apresentar os referenciais teórico e clínico desse campo de estudo que, além de nos oferecer novos vértices de observação, amplia a possibilidade de compreensão e do tratamento das psicopatologias contemporâneas.

O texto abaixo discute alguns dos conceitos principais dessa área de conhecimento e aborda qual a sua contribuição para uma compreensão mais ampla das patologias contemporâneas, nas quais o corpo está cada vez mais implicado.

1. Afinal, o que é a psicossomática psicanalítica?

Do ponto de vista teórico, a psicossomática psicanalítica constitui uma abordagem dos fenômenos psíquicos primitivos que podem ser observados nas psicopatologias psicanalíticas contemporâneas. Entre essas patologias, incluem-se as doenças psicossomáticas que se caracterizam por um comprometimento da constituição do narcisismo primário e do processo de simbolização. Há um déficit na transformação do corporal em psíquico, isto é, na aquisição da representação por meio da palavra. Em outras palavras, pode-se dizer que esta abordagem fornece ferramentas para a escuta corporal.

Nesse contexto, é fundamental reconhecer corpo e mente como uma unidade, um mesmo território, ocupado por estruturas psicossomáticas que se diferenciam pelos diferentes graus de complexidade psíquicas. Essa perspectiva de compreensão opõe-se às ideias vigentes da psicossomática médica, para a qual corpo e mente são tidos como duas estruturas separadas que se influenciam mutuamente.

De acordo com a Escola de Psicossomática de Paris, existe uma relação inversamente proporcional entre a gravidade dos sintomas somáticos e o grau de complexidade do funcionamento psíquico. Isso significa que, em quadros patológicos, quanto mais primitiva e menos complexa for a atividade psíquica e a capacidade de representação, mais poderemos observar alterações somáticas importantes.

Resumidamente, o princípio que rege o funcionamento psíquico dos pacientes que somatizam é a desorganização progressiva, um conjunto de movimentos profundos que atravessam toda a estrutura psicossomática e a negativizam. Ocorre uma espécie de apagamento gradual de todas as formações psíquicas, das mais às menos evoluídas, em consequência da fragmentação generalizada da rede representacional e da ruptura com as fontes pulsionais inconscientes, que pode se dar de forma mais ou menos acentuada. Para Pierre Marty, esses movimentos desorganizadores são decorrentes da pulsão de morte.

A desorganização progressiva desencadeia dois tipos de processos de somatização: a regressão somática e o desligamento psicossomático. Na regressão somática a desorganização se detém em determinado órgão ou segmento corporal, que serve de platô de fixação para que os movimentos evolutivos reorganizadores da pulsão de vida reconduzam aos níveis psíquicos mais complexos. A função do sintoma é deter o processo regressivo e criar as condições necessárias para que o psiquismo se reorganize. Ocorre nas organizações psíquicas neuróticas. Tais movimentos de regressão somática são sustentados pela libido.

Já o desligamento psicossomático refere-se a um processo de longa duração, no qual a regressão atinge os níveis mais primitivos da vida emocional inseridos no somático. Instala-se a doença somática que se cronifica e conduz o sujeito a graus significativos de incapacidade para a vida, podendo levá-lo à morte. Este processo decorre da perda dos valores libidinais e tem como maior consequência a liberação da destrutividade interna. Os parâmetros narcisista e quantitativo, por um lado, e a duração do estado de desligamento pulsional, por outro, concorrem para a instalação e a manutenção da doença somática.

As bases freudianas da psicossomática residem em dois conceitos fundamentais:
– a vida pulsional e as relações de estrutura e funcionamento das famílias de neuroses;
– a oposição entre neuroses atuais e psiconeuroses de defesa.
As pulsões são as operadoras da estrutura psicossomática: ao mesmo tempo a marca do orgânico e do psíquico, assegurando permanentemente o vínculo somato-psíquico. Isso se dá por meio de vias que se originam na geografia do corpo e que confluem ao psiquismo.

2. Como essa abordagem contribui para a compreensão e tratamento das patologias contemporâneas, nas quais o corpo está cada vez mais implicado?

A psicossomática psicanalítica, inicialmente, desenvolveu uma compreensão do funcionamento emocional nas somatizações. No entanto, com o decorrer do tempo, constatou-se seu maior potencial de abrangência. Seu corpo de teorias passou a dar conta também dos quadros psicopatológicos contemporâneos, nos quais há o comprometimento da constituição do narcisismo primário e falhas do processo de simbolização, o que dificulta a transformação do corporal em psíquico.

O corpo, assim, impera como palco da dor psíquica. Nas somatizações, o que se expressa é o corpo libidinal e o sintoma corporal não possui significado, uma vez que houve comprometimento na instauração do recalque primário, substituído pelos processos de recusa e cisão.

Tais conceitos nos auxiliam a compreender o funcionamento de indivíduos com dificuldade de sentirem e de se apropriarem das próprias emoções. Estas acabam por permanecer no corporal devido ao prejuízo da capacidade de representação. O mecanismo descrito é o que está na base das somatizações e dos quadros denominados de clinica contemporânea ou clinica do vazio.

Para os analistas, a dificuldade se encontra na precariedade dos processos de simbolização e mentalização que tais indivíduos geralmente apresentam. Em análise, isso se expressa na ausência da capacidade de associar e abstrair. O vazio interno é preenchido por uma verborragia sem fim, na qual não há espaço para, sequer, um momento de escuta. Fatos do cotidiano são contados sem ligação associativa, sem correlação, sem ligação afetiva. Pode-se observar ainda uma inercia total frente aos fatos da vida. Falta vitalidade, falta libido. Só há o corpo que dói e que se expressa por si, sem representação por meio da palavra. Denominamos esse quadro de depressão essencial, um importante referencial da psicossomática psicanalítica.

Nesses casos, uma das funções do analista é tentar estabelecer as correlações possíveis que se perderam.

3. Qual será o enfoque da Jornada e principais presenças/temas?

Nesta Jornada, duas conferências irão contextualizar a psicossomática psicanalítica na clínica contemporânea.

Diana Tabacof, membro da Sociedade Psicanalítica de Paris e do Instituto de Psicossomática de Paris, discorrerá sobre a psicossomática psicanalítica hoje: o modelo pulsional da Escola de Paris.

Mikel Zubiri, analista didata da Sociedade Psicanalítica de Madri, discutirá a abordagem psicanalítica dos pacientes somáticos graves.

Além das conferências, haverá três mesas redondas com a participação de colegas brasileiros que investigam e trabalham com este tema. O foco aqui é refletir sobre as relações da psicossomática com o narcisismo, com o meio ambiente e com a dor psíquica. Por fim, a apresentação de material clínico vai propiciar uma análise cuidadosa das vicissitudes da prática clinica, nesse campo.

Fontes:
Comissão Organizadora da 1ª Jornada de Psicossomática Psicanalítica da SBPSP: Victoria Regina Béjar, Candida Sé Holovko, Denise Aizemberg Steinwurz, Eliana Riberti Nazareth e Silvia Joas Erdos.

Robôs no tratamento do autismo…será?

O autismo é um tema que tem aparecido com frequência na mídia e também aqui no Blog. No dia 13/10, publicamos entrevista com a psicanalista e psiquiatra Vera Regina Fonseca para falar sobre autismo em adultos.
O post de hoje se contrapõe à matéria publicada no jornal O Estado de S. Paulo (04/10/2014), sobre a utilização de robôs no tratamento de indivíduos com algum TEA (transtorno do espectro do autismo). A reflexão foi feita pela psicanalista e membro da SBPSP, Maria Thereza França.
A discussão é ampla e segue aberta a todos que quiserem participar.

***

Por Maria Thereza França

Sobre a matéria publicada recentemente no jornal O Estado de S. Paulo (04/10/2014) – Autista interage com robô que auxilia tratamento – faço as seguintes considerações:

Diz a matéria:

“O que parece ser um brinquedo pode ajudar a melhorar a interação das pessoas com autismo e, assim dar mais qualidade de vida a elas.”

“Quando o robô começou o gingado de capoeira, um dos pacientes levantou e imitou o movimento.”

Do experimento com o robô de tecnologia francesa participaram quatro crianças autistas atendidas por uma ONG. Segundo a mesma notícia, a Organização Mundial de Saúde divulga que há mais de 2 milhões de autistas no Brasil e 70 milhões no mundo.

Com os atuais conhecimentos, não podemos mais falar em “autismo” e sim “autismos”, pois é amplo o espectro a ser estudado.

A partir da descrição de Kanner em 1943, do Autismo Infantil Precoce, muitos estudos trouxeram importantes contribuições para o entendimento do que se passa com as crianças com autismo, entre elas as contribuições advindas da Psicanálise.

Os distúrbios que resultam em prejuízos importantes para o desenvolvimento como um todo, mas especialmente para a linguagem e as relações afetivas da criança, têm causalidade múltipla.

A Psicanálise não descarta a possibilidade de que existam fatores orgânicos ou mesmo genéticos, além das questões emocionais. Em conjunto com outras áreas do conhecimento científico, tem desenvolvido recursos para ajudar as crianças com autismo a saírem do universo em que se encontram encerradas, no qual o contato afetivo não existe, ou é tênue.

Necessitamos utilizar ferramentas próprias para que essas crianças possam vir a se interessar pelo humano e abandonar suas relações desvitalizadas, repetitivas e controladas (robotizadas).

A Psicanálise é construída sobre a premissa de que há uma força que move o ser humano, que o movimenta e o diferencia de qualquer outro animal e que as necessidades humanas vão além das biológicas e físicas compartilhadas com todos os animais. A linguagem, a capacidade de pensar, desejar, simbolizar, nascem com as funções corporais, mas a elas transcendem.

É importante que se possa compreender as produções das crianças com autismo, perceber que naquela criança existe um traço, potencialidades, um vestígio de sujeito que precisa desabrochar como ser humano.

É fundamental recriar as condições que possam favorecer o estabelecimento e/ou fortalecimento dos vínculos afetivos e, como consequência, o desenvolvimento das funções mentais, consolidando o vínculo com o humano, que se encontra pouco desenvolvido, em detrimento do contato com objetos concretos, que fornecem estímulos sensoriais, aos quais estas crianças se mostram fortemente aderidas.

Assim, vemos que esse experimento só se justifica no caso de se desenvolver inserido dentro de uma relação afetiva, com outro ser humano, para que o sentido do interagir, “brincar” com um robô (arremedo de gente) possa se ampliar e fortalecer o desenvolvimento de um psiquismo colorido pelas trocas afetivas.

A imitação pode ser um passo para as identificações humanas, porém, pode também cristalizar a adesão a padrões desvitalizados, tendência defensiva tão observada nas crianças com autismo.

As crianças, de um modo geral, hoje, estão perdendo a capacidade de brincar, ou melhor, a brincadeira tende a ocorrer como descargas físicas excitadas, agitação, chegando frequentemente à hiperatividade, o que representa a adesão ao movimento. Do mesmo modo, o uso de iPads como babás eletrônicas, ou a adesividade aos jogos eletrônicos, substitutos precários do contato humano, é cada vez mais estimulado.

Vale registrar que nem a atividade física, nem as mídias e jogos eletrônicos representam em si algo pernicioso, pelo contrário! A atividade física e lazer são saudáveis e estarmos conectados nos dá condições de inserção ao mundo atual. O problema diz respeito ao uso dos mesmos como condutas aditivas, sem que se tenha o entendimento da função a que se prestam: uma tentativa – ineficaz – de preenchimento interno por meio de sensações externas.

Como diz o psiquiatra Jairo Bauer (“As novas dependências”, O Estado de S. Paulo, p. A34, 24/08/2014):

“trocar interações sociais, interesse na escola e no trabalho e opções variadas de lazer pela busca ininterrupta de tempo para se exercitar ou jogar mostra que há uma dificuldade de controle, e, pior, quanto mais se faz, mais se sente que falta algo que ainda deve ser feito.”

E o que faltaria afinal?
Falta o investimento no fortalecimento de um mundo interno, de uma mente que seja capaz de lidar com as questões humanas do dia a dia, modular nossos sentimentos, ajudando a conviver com as agruras da vida e que seja fonte de verdadeira satisfação.

Será que nós seres humanos estamos dispostos a correr o risco de oferecer às nossas crianças já tão prejudicadas modelos robotizados?

*Maria Thereza de Barros França é psicanalista e membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo

O autismo na idade adulta

No universo infantil, os quadros de autismo são bastante debatidos, tanto na mídia como entre os profissionais da área. O mesmo não se pode dizer em relação aos adultos portadores de transtornos do espectro do autismo (TEA), dos quais pouco se fala.
O que acontece quando essas crianças crescem? Quais as perspectivas para um adulto que desenvolveu, nos primeiros anos de vida, algum TEA? Há formas de subverter o processo de exclusão social aos quais, com frequência, esses indivíduos estão expostos?
A entrevista abaixo, com a Dra. Vera Regina Fonseca, psicanalista, psiquiatra e membro da SBPSP, tem como objetivo trazer à tona esse tema e refletir sobre as principais questões que o permeiam.

1) Em psicanálise, fala-se da importância do diagnóstico precoce e de tratamentos adequados para as crianças que possam apresentar aspectos autistas. Já sobre autismo em adultos muito menos se fala ou discute. Como a psicanálise entende/estuda o autismo em adultos? É comum/usual os psicanalistas usarem essa categoria diagnóstica na clínica de paciente adultos? Se sim, como isso se dá?

Um número menor de adultos do que de crianças chega ao consultório dos psicanalistas. Algumas hipóteses para explicar tal fato seriam a acomodação da família ao quadro, a aparência de déficit ao invés de conflito e a típica dificuldade relacional do paciente que faz com que seja mais raro surgir dele a demanda de ajuda e tratamento. Mas os que chegam serão abordados de modo semelhante a qualquer outro paciente, na tentativa de compreender seu mundo mental e seu funcionamento, auxiliando-o a expandir seus recursos para viver as emoções relacionais sem ser massacrado pelas mesmas. Ainda que em tais pacientes haja maior prevalência de modos autísticos de funcionar, sua personalidade é singular e única, o que faz com que o diagnóstico seja pouco útil, a priori, no processo analítico propriamente dito.

2) Como poderia ser feita a inserção de adultos autistas na sociedade (no mercado de trabalho, por exemplo)? E qual poderia/deveria ser a participação dos pais nesse processo?

O processo deve ser incluído desde cedo na programação terapêutica global da criança, sob forma de apresentação da realidade, ainda que se leve em conta seus limites (por exemplo, propiciando experiências com os fatos da vida diária). Do ponto de vista prático, isto implica um esforço contínuo de intermediar o contato da criança com a realidade, sem excluí-la das trocas sociais. Deste modo, ao chegar à adolescência, alguns caminhos de inserção já poderão ser identificados. Acredito que a escola e os pais têm um papel central neste trajeto, sendo fundamental para a saúde mental do indivíduo que ele participe dos processos de trabalho do modo que lhe for possível.

3) Um adulto autista pode se beneficiar de um tratamento analítico? Se sim, de que forma?

De modo geral, sim. Com freqüência a experiência de ser compreendido leva a um ganho na capacidade de regular as próprias emoções, de se comunicar e de se interessar pelas relações com os outros. Um aspecto dramático das pessoas com TEA é que, ainda que aparentem não ter motivação para o contato humano, dele necessitam como qualquer pessoa, ou até mais. É importante ter em mente que o desenvolvimento da mente se processa de um modo diverso nos TEA: a busca por relações é substituída por uma busca por sensações, o que leva a dificuldades frente às demandas do viver com as pessoas, já que as experiências de relação com o outro ficaram prejudicadas. Geralmente, constitui-se uma organização mental mais rígida, menos apta para as adaptações necessárias à imprevisibilidade do mundo humano. A análise, tanto em crianças quanto em adultos, tem por objetivo criar novos caminhos para lidar com a vida e com as emoções a ela associadas.

4) O que podemos esperar de um adulto que, na infância, tenha recebido o diagnóstico de autismo? É possível que, por meio de tratamento adequado, este sujeito saia do espectro autista na idade adulta? Será que a inserção social contribui para minimizar os sintomas e manifestações autistas?

Tudo dependerá da gravidade do quadro E da cristalização dos modos autísticos de funcionar.
Por vezes crianças com um desenvolvimento menos comprometido apresentam resistência a mudanças e, outros mais graves, podem até evoluir melhor, ainda que não seja esta a regra.
Mas estamos vendo várias crianças (que logo se tornarão adultos) saindo do espectro com o tratamento adequado, mesmo que não sempre. Na grande maioria dos casos, o ganho é marcante. Propiciar experiências sociais regulares e bem dosadas é, sem dúvida, positivo para a evolução.

5) O que você diria aos pais de um adulto autista? Como orientá-los na educação e nos cuidados com o filho?

Provavelmente os pais de um adulto já desenvolveram estratégias para lidar com o filho, daí meu uso do termo acomodação, acima. Como os primeiros anos, em geral, são muito sofridos para os pais, criança e família, na idade adulta pode-se chegar a certa “calmaria”. Talvez a pergunta importante que os pais devam se fazer é se a acomodação se tornou rígida, constituindo uma barreira para as mudanças inevitáveis que são demandadas pela própria vida, ou se tem alguma plasticidade para os ajustes necessários.

6) De que modo a psicanálise poderia contribuir/está contribuindo para propostas de políticas públicas para o tratamento de adultos autistas?

O MPASP (Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública), que já existe há dois anos, tem se dedicado a discutir e tentar influir nas políticas públicas para o indivíduo com um TEA. Este é um bom exemplo que responde a pergunta feita.

7) Você considera que existam preconceito e discriminação em relação aos adultos autistas (por exemplo, no momento de disputar uma vaga de emprego, ou mesmo nas relações pessoais)? Se sim, de que modo a psicanálise poderia contribuir para a redução desse preconceito?

Acredito que preconceitos haja sempre e que eles fazem parte do programa humano: preconceito frente ao estrangeiro, ao diferente, ao novo etc.
Na medida em que o diferente e desconhecido ficam apreensíveis, atenua-se a tendência à exclusão. Tornar mais compreensível o universo autístico é uma das tarefas particulares da psicanálise, que pode contribuir para trazer mais familiaridade com o mesmo.
Ainda assim, corremos o risco de divulgarmos clichês: daí a importância de levarmos em conta a diversidade e a singularidade de cada um de nossos pacientes.

*Vera Regina J. R. M. Fonseca é psiquiatra, psicanalista, membro e atual Diretora Científica da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP).

A palavra foi feita pra dizer

Para quem gosta de literatura, a exposição Conversas de Graciliano, em cartaz no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, é uma ótima dica.

O projeto no MIS foi executado a partir do recém lançado livro Conversas, de Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla, em que estão reunidas 25 entrevistas que o escritor alagoano Graciliano Ramos (1892-1953) concedeu a jornais e revistas, ao longo de sua vida.

A ideia da exposição foi exatamente dar voz a Graciliano – voz da qual, na verdade, não existe registro algum. As entrevistas são, assim, uma forma direta de ouvir o que o escritor tinha a dizer, para além da sua produção ficcional. E, ao contrário da imagem sisuda e focada em sua própria obra que às vezes transparece em sua ficção, nas entrevistas Graciliano se mostra um homem que falava sobre tudo, era bem humorado, irônico e autocrítico.

Na mostra, há vídeos sobre a vida do escritor e depoimentos. As frases estampadas na parede, sem exceção, são todas do próprio Graciliano. Em um dos painéis, há uma entrevista encenada em que o ator Marat Descartes, no papel de Graciliano, conversa com o jornalista Edney Silvestre.

Depoimentos de algumas personalidades compõem a mostra audiovisual. Entre eles, Alcides Villaça, Antonio Carlos Secchin, Luiz Costa Lima, Luiz Ruffato, Luiza Ramos Amado, Ricardo Ramos Filho, Marçal Aquino, Marcelino Freire, Maria Rita Kehl, Nuno Ramos e Silviano Santiago. Ao todo são 20 depoimentos, disponíveis em um monitor.

O livro de Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla é resultado de um trabalho intenso: foram mais de dez anos pesquisando não apenas a obra de Graciliano, mas também fontes primárias, como jornais e documentos oficiais. E um traço marcante de sua obra, que fica bem evidente, é o fato de cada capítulo ser singular e possuir força dramática, concisão e autonomia, como se fossem contos. Essa particularidade formal tem tudo a ver com o seu contexto de vida e a necessidade financeira, que o levou a publicar contos/capítulos, crônicas e artigos na imprensa da época.

Vidas Secas, o romance mais conhecido de Graciliano, é um exemplo disso. Antes de ser lançado em livro, os 13 capítulos – independentes entre si – já tinham sido publicados separadamente, como contos, no jornal. Vidas Secas foi, por esse motivo, chamado por Rubem Braga de “romance desmontável”.

Com curadoria de Selma Caetano, a exposição no MIS é gratuita e fica aberta até o dia 09 de novembro.

Para mais informações, acesse o link: http://tinyurl.com/lchfgqf